Business

Ex-dirigente da Fifa Jérôme Valcke nega acusações de propina em corte de apelações na Suíça

Ex-dirigente da Fifa Jérôme Valcke nega acusações de propina em corte de apelações na Suíça

O ex-secretário-geral da Fifa Jérôme Valcke e o executivo catariano Nasser Al-Khelaifi negaram acusações de propina envolvendo direitos de mídia da Copa do Mundo em uma corte de apelações do Tribunal Criminal Federal da Suíça, nesta segunda-feira.

Valcke, de 61 anos, que foi secretário-geral da entidade administrativa mundial do futebol entre 2007 e 2015, foi inicialmente absolvido em 2020 de ter aceitado propina e por má gestão criminal agravada, mas os promotores suíços entraram com uma apelação.

As vantagens que Valcke teria recebido, incluindo o uso de uma mansão de Al-Khelaifi na Sardenha sem a cobrança de aluguel e pagamentos de 1,25 milhão de euros de um terceiro réu, um empresário grego, estão associadas à concessão dos direitos de mídia da Copa do Mundo e da Copa das Confederações, dois eventos organizados pela Fifa.

Os juízes primeiro questionaram Al-Khelaifi, de 48 anos, presidente do grupo de mídia com sede no Catar beIN Sports e do clube francês Paris Saint-Germain, sobre a compra da casa que Valcke teria usado sem pagar aluguel em troca de conceder os direitos de mídia das Copas do Mundo de 2026 e 2030 à beIn Sports.

Questionado se havia fechado um “acordo corrupto” com Valcke, Al-Khelaifi disse: “Isso é totalmente errado. É uma acusação falsa”.

Valcke, que foi banido de qualquer atividade relacionada ao futebol até meados de 2032 pelo comitê de ética da Fifa, disse que sua situação profissional e financeira deteriorou-se desde 2015 porque ele não tem renda.

Valcke afirmou que havia pedido que Al-Khelaifi o ajudasse como um amigo em 2013 porque estava passando por dificuldades para financiar a compra da mansão e de um novo barco.

“Não me orgulho disso, eu teria tido menos problemas se tivesse sido razoável”, disse Valcke. “Eu recorri a Nasser porque eu o conhecia… Era Jérôme falando com Nasser, e não o secretário-geral da Fifa falando com o presidente da beIN Sports”.

(Reportagem de Silke Koltrowitz)

tagreuters.com2022binary_LYNXMPEI2610C-BASEIMAGE

To Top