Agro

Lucro da M. Dias salta 152% no 1º tri, com aumentos de preço e volume

portalmixvalegoogle

Por Nayara Figueiredo

SÃO PAULO (Reuters) – A fabricante de biscoitos e massas M. Dias Branco informou nesta sexta-feira que teve lucro líquido de 37,8 milhões de reais no primeiro trimestre, alta de 152% ante igual período de 2021, com avanço nos preços e vendas.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) atingiu 88,9 milhões de reais, um avanço de 87,6% no ano a ano. A margem Ebitda da companhia cresceu 1,5 ponto percentual, para 4,7%.

“O aumento do Ebitda e da margem deve-se ao crescimento das vendas, com aumento de preço médio e crescimento dos volumes”, disse à Reuters o diretor de novos negócios e relações com investidores da empresa, Fabio Cefaly.

Ele disse que a companhia já havia repassado o aumento nos custos de produção, principalmente do trigo, mas a concorrência ainda não havia acompanhado, o que afetou os volumes vendidos.

“Agora, este trimestre confirmou a leitura de que em algum momento a concorrência iria ajustar os preços também, e assim recuperamos volumes… Esse equilíbrio entre volume e preço é muito favorável para a empresa”, acrescentou.

A receita líquida da companhia alcançou 1,89 bilhão de reais no trimestre, avanço de 26,8% no comparativo anual.

Os volumes de vendas cresceram 5,4%, a 375,5 mil toneladas, e o preço médio foi 20,3% maior, a 5 reais por quilo. O segmento de biscoitos foi o que mais aumentou em vendas, com ganho de 10,9% de janeiro a março, para 107,6 mil toneladas.

Cefaly disse que a demanda está normalizada, após picos causados pelo auxílio emergencial entre 2020 e 2021, em função da pandemia. O melhor cenário foi verificado em março e a expectativa é que ele se replique ao longo deste ano.

Do ponto de vista de custos, o executivo ressaltou que o resultado do trimestre ainda não contempla os efeitos da guerra na Ucrânia sobre as cotações do trigo, pois a companhia costuma carregar um estoque de pelo menos quatro meses.

No entanto, as compras de matéria-prima mais recentes já contam com esse impacto, visto que a Rússia é um dos maiores fornecedores globais do cereal.

“Teremos aumento de custos? Teremos. Podemos ter ajuste nos preços (de produtos da M. Dias) nos próximos meses? A resposta é sim, mas os ajustes estão sendo feitos de forma gradual”, disse.

“Como temos bastante espaço para armazenar, a gente aproveita para ir aos poucos recompondo o estoque.”

Ele disse que o trigo spot fechou o ano passado cotado em 300 dólares por tonelada, e atualmente já superou 400 dólares.

Além do cereal nacional, cuja safra está sendo plantada, a empresa trabalha com trigo de Argentina, Estados Unidos e Canadá, não sendo diretamente afetada pela falta do cereal de Rússia ou Ucrânia.

“Olhando globalmente, não vemos nesse momento uma questão de desabastecimento, mas os custos estarão maiores”, enfatizou.

Soma-se a isso o movimento de exportação de trigo brasileiro neste ano, após bons volumes colhidos na temporada passada e cotações internacionais atrativas, o que onerou os preços locais.

(Por Nayara Figueiredo)

To Top