Business

Produtora mineira de games Rogue Snail lança RPG em parceria com Netflix

Produtora mineira de games Rogue Snail lança RPG em parceria com Netflix

Por Beatriz Garcia

SÃO PAULO (Reuters) – A produtora brasileira de videogames Rogue Snail lançou na semana passada o jogo “Relic Hunters: Rebels” em parceria exclusiva com a Netflix, marcando sua entrada no mercado de jogos para dispositivos móveis da gigante do streaming.

O presidente-executivo da Rogue Snail, Mark Venturelli, disse à Reuters que a Netflix procurou a empresa com interesse de investir em produções regionais, assim como ocorre nos filmes e séries originais de seu catálogo. Ele evitou informar detalhes financeiros do acordo.

“Da mesma forma que produções muito locais que fazem sucesso no mundo inteiro, como ‘La Casa de Papel’ e ‘Squid Game’, a Netflix quer fazer isso com videogames e esse nosso projeto chamou a atenção deles”, disse.

“Rebels” é o segundo lançamento da franquia Relic Hunters, um RPG do gênero “looter shooter”, em que os jogadores controlam quatro personagens com o objetivo de coletar diferentes armas para lutar contra patos e tartarugas espaciais na tentativa de derrotar o malvado Império Ducan.

A ideia inicial do estúdio, quando procurado pela Netflix, era lançar “Relic Hunters: Legends”, que tem ambientes e jogabilidade 3D e lançamento planejado para 2023. “Perguntamos se havia o interesse de lançar (Rebels) e eles aceitaram. E como já estava quase pronto, acabou saindo primeiro e foi nosso lançamento com a Netflix Games”.

O game não está disponível para todos os usuários da Netflix no Brasil, uma vez que o serviço de jogos da empresa de streaming não foi lançado para no país. Mas a Rogue Snail disse que o jogo foi lançado globalmente em 3 de maio. Usuários podem baixá-lo através da Play Store, em dispositivos Android.

A Rogue Snail, fundada em 2014, lançou outros títulos para consoles e plataformas como Steam, onde o primeiro título da franquia Relic Hunters foi lançado de forma 100% gratuita, com código-fonte aberto e atingiu uma comunidade de mais de 1 milhão de jogadores ao redor do mundo.

Venturelli acredita que parcerias entre estúdios independentes e grandes produtoras facilitam a criação artística e de narrativa porque os desenvolvedores não precisam focar no formato de monetização interna dos jogos e “conseguimos fazer jogos, em nossa opinião, mais interessantes”.

A empresa mineira atua de forma independente no mercado de jogos e utiliza diversas formas de financiamento para angariar suas produções. Durante os primeiros anos de criação da Rogue Snail, a principal forma de investimento eram os investimentos dos próprios desenvolvedores.

A partir de 2017, a produtora participou de um edital da empresa de cinema e audiovisual da cidade de São Paulo, SPcine, e conseguiu investimentos através de financiamento coletivo, um investidor-anjo em 2019, e depois fechou os principais contratos de parceria atuais, entre eles com a produtora norte-americana Gearbox, além da Netflix.

A Rogue Snail aposta em diversidade e menos da metade do quadro de funcionários é composto por homens. “Essa estatística não deveria ser um motivo de orgulho mas infelizmente dentro da indústria de jogos é. Menos da metade da Rogue é composta por perfil do homem branco, heterossexual e cisgênero.”

A empresa explora essa diversidade em “Relic Hunters: Rebels” com o personagem não-binário Baru. “A inclusão de Baru foi totalmente natural, já que o personagem foi criado por uma pessoa não binária, desenhado por uma mulher trans e dublado por Jan Aponte, uma pessoa não binária”, disse Venturelli em material de divulgação da Netflix.

“JOGOS PLAY-TO-EARN SÃO ABOMINAÇÃO”

Apesar do movimento de investimentos de empresas tecnologia no metaverso, com Meta, Epic Games e Tencent, Venturelli acredita que é um frenesi do momento, pouco atrativo para as pequenas empresas independentes de jogos e entretenimento, como a Rogue.

“Não faz muito sentido falar sobre ser uma empresa e fazer algo para o metaverso, nada agora nesse momento faz muito sentido.”

Venturelli também disse que a empresa não tem projetos para jogos baseados em tokens não fungíveis (NFTs) e criticou a explosão de jogos “play-to-earn”, onde os jogadores passam o tempo para conseguirem ativos digitais. “Jogos play-to-earn são uma abominação, eu espero eles não existam mais ou se tornem nichos em alguns anos”, disse.

A ideia de transformar um tempo de entretenimento dos jogadores em uma atividade pseudo-produtiva da qual você pode tirar seu sustento como algumas pessoas estão fazendo “é profundamente perversa e deturpa a profissão e se torna uma ameaça à indústria de jogos”, disse o presidente da Rogue Snail.

tagreuters.com2022binary_LYNXNPEI4C0IQ-BASEIMAGE

To Top