Últimas Notícias

Greve de servidores da Funai tem protestos em 40 das 47 unidades

portalmixvalegoogle

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Servidores da Funai (Fundação Nacional do Índio) fizeram protestos em 40 das 47 unidades nesta quinta-feira (23) durante a greve nacional da categoria.

O grupo pede a saída de Marcelo Xavier da presidência da fundação, uma profunda investigação da morte do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips e o reforço da segurança no Vale do Javari (AM), onde os dois foram assassinados.

“Os servidores que estão lá [no Vale Javari] estão sozinhos, numa situação de muita vulnerabilidade física e psicológica. A gente quer uma força-tarefa da Funai para atuar na região fortalecendo os servidores que estão nas coordenações regionais”, afirma Luana Almeida, da INA (Indigenistas Associados).

Na segunda-feira (20), servidores da Funai pediram uma reunião com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres –a quem a Funai está subordinada. Segundo eles, não houve resposta.

O ministério e a Funai foram procurados pela reportagem nesta quinta, mas não se manifestaram até a publicação deste texto.

A mobilização foi aprovada na sexta-feira (17) durante uma plenária virtual que reuniu cerca de 200 servidores. A última paralisação da categoria foi em 2012, durante a greve geral dos servidores públicos federais.

“O Bruno morreu sendo servidor da Funai. Enquanto ele era assassinado, esquartejado, carbonizado e enterrado em cova rasa, o presidente da Funai, que tinha responsabilidade para com o Bruno enquanto servidor, foi à rede nacional difamá-lo, contar mentiras sobre ele”, afirma o servidor da Funai e amigo de Bruno Guilherme Martins.

Os dois trabalharam juntos na sede da Funai, em Brasília, quando Bruno assumiu a Coordenação-Geral de Índios Isolados e de Recente Contato. O indigenista pediu licença não remunerada da fundação após ter sido exonerado do cargo, em 2019, e passou a colaborar com a Univaja (União dos Povos Indígenas do Vale do Javari).

A declaração do presidente da Funai que revoltou a categoria ocorreu em 8 de junho em entrevista à “Voz do Brasil” –noticiário oficial do governo– e em nota oficial publicada no site da Funai no dia 10 de junho, quando Bruno e Dom já estavam desaparecidos há cinco dias.

Xavier afirmou que os dois deveriam ter pedido autorização do governo para entrar na Terra Indígena Vale do Javari. A Univaja contestou a afirmação e ressaltou que as atividades tinham autorização da Coordenação Regional da Funai. A associação pediu para que Marcelo Xavier se retratasse publicamente, o que não ocorreu.

Um dossiê de 172 páginas produzido pela INA e pelo Inesc (Instituto de Estudos Socioeconômicos) aponta que, sob o governo Bolsonaro, a Funai tem implementado uma política anti-indigenista, marcada pela não demarcação de territórios, perseguição a servidores e lideranças indígenas, militarização de cargos estratégicos e esvaziamento de quadros da entidade.

No dia 7, quando o indigenista e o jornalista ainda estavam desaparecidos, o presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que os dois estavam em uma “aventura não recomendada”. No dia 16, após a confissão do crime por um dos suspeitos, Bolsonaro desejou sentimentos e confortos aos familiares.

Integrantes do MPF (Ministério Público Federal) afirmaram à reportagem que uma das hipóteses investigadas é de que os pescadores ilegais envolvidos no assassinato sejam financiados ou armados por alguma organização criminosa com atuação na região.

To Top