Asia

Navratilova critica COI por falta de liderança na questão transgênero

Navratilova critica COI por falta de liderança na questão transgênero

SYDNEY (Reuters) – A ex-tenista e pioneira dos direitos dos homossexuais Martina Navratilova criticou o Comitê Olímpico Internacional (COI) por falta de liderança na questão da inclusão de atletas transgêneros no esporte.

A questão foi trazida à tona pela decisão do último fim de semana da Fina, órgão regulador da natação, de proibir atletas que passaram por qualquer parte da puberdade masculina na competição feminina de elite.

O COI revisou no ano passado suas diretrizes de inclusão com uma nova estrutura aconselhando que os atletas não devem ser excluídos de competição com base na vantagem injusta “percebida”, mas deixando para as federações esportivas decidirem as regras.

Navratilova disse que encontrar o equilíbrio entre inclusão e justiça em eventos individuais é extremamente complexo e que o COI transferiu a responsabilidade pela questão para federações às vezes mal financiadas.

“Isso ‘Oh, vamos deixar para as federações individuais’. Como essas federações dentro de seu país podem fazer suas regras diferentes?”, disse Navratilova, 59 vezes campeã de Grand Slam, ao jornal The Australian.

“Elas têm que fazer a pesquisa e a implementação… e custa dinheiro, e é impossível.”

Embora a Fina tenha envolvido cientistas na força-tarefa que elaborou suas regras, os defensores da inclusão de transgêneros argumentam que ainda não foram feitos estudos suficientes sobre o impacto da transição no desempenho físico.

Não houve resposta imediata do COI a um pedido de comentário sobre o assunto.

(Reportagem de Nick Mulvenney)

tagreuters.com2022binary_LYNXMPEI5M0LH-BASEIMAGE

To Top