Últimas Notícias

Jovem é morta a facadas dois dias após pedir medida protetiva contra o ex em BH

portalmixvalegoogle

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) – Um tatuador foi preso em flagrante num motel nesta sexta-feira (5) sob a suspeita de ter matado a facadas a ex-namorada Emily Luíza Ferretti Fernandes, 25, na casa da jovem na região do Barreiro, em Belo Horizonte, no dia anterior.

Segundo a Polícia Civil de Minas Gerais, Thales Thomás do Vale, 29, foi indiciado por homicídio qualificado por feminicídio, motivo fútil, meio cruel e sem chance de defesa da vítima. Também foi autuado pela tentativa de homicídio do irmão dela.

Questionado pela imprensa se estava arrependido enquanto era direcionado a uma viatura da Polícia Militar, ele respondeu “tô” e em seguida afirmou que “foi covarde”. A investigação segue em andamento pelo Núcleo Especializado de Feminicídio.

Testemunhas contaram à polícia que Emily Luíza estava em casa com a mãe e o irmão de 16 anos na última quinta (4) quando Thales entrou pelo portão, que estava destrancado, para pedir desculpas à ex-namorada. Ela não aceitou e foi atacada por ele.

O adolescente tentou pegar um pedaço de pau para defender a irmã, mas, quando voltou, viu que o tatuador estava desferindo golpes de faca contra a jovem. Ela foi levada por policiais militares ao hospital Júlia Kubitschek, mas não resistiu aos ferimentos. O irmão também foi atingido e precisou de atendimento.

Emily Luíza já havia procurado a Polícia Civil duas vezes para prestar queixa e pedir medida protetiva contra o ex-namorado, uma delas dois dias antes de morrer.

A corporação confirmou que a solicitação foi encaminhada à Justiça. O Tribunal de Justiça, por sua vez, afirmou que não localizou registros com os nomes dos envolvidos e que os processos de feminicídio correm sob sigilo e, por isso, podem estar ocultos no sistema.

A primeira denúncia foi feita em 30 de junho, quando a jovem procurou a Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher para denunciar o ex sobre a publicação de fotos íntimas e ameaças. “Na oportunidade também foi solicitada medida protetiva de urgência”, diz o órgão.

Ele teria criado um perfil fake no Instagram, adicionado os familiares da jovem e encaminhado as imagens, segundo o site G1. Já na última terça (2), diz o portal, Emily voltou à delegacia para dizer que Thales jogou um telefone e um celular contra ela após uma briga motivada por ciúmes.

Quando ela se levantou para ir embora, ele a puxou pelo pescoço e pelo braço e a jogou na cama. Depois, os avós do tatuador tentaram cessar a briga e a levaram até o portão, mas ele ainda a jogou no chão e lhe arrastou tentando puxar seu relógio, conforme a ocorrência.

A Lei Maria da Penha estabelece que, após o registro por violência doméstica, o caso deve ser remetido ao juiz em, no máximo, 48 horas. A Justiça terá outras 48 horas para analisar e julgar a concessão das medidas protetivas de urgência, se for o caso.

Thales morava nos Estados Unidos e estava de passagem pelo Brasil. Familiares e amigos contaram ao jornal Estado de Minas que o relacionamento começou pela internet e durou alguns meses, mas o tatuador se mostrou possessivo e abusivo e ela decidiu terminar, então começaram as ameaças.

*

ONDE POSSO DENUNCIAR CASOS DE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER?

POLÍCIA

– Disque 190;

– Procure uma Delegacia Especializada da Mulher (DDM) próxima de sua casa, ou Delegacia de Polícia fora do horário comercial;

– Em São Paulo, o boletim de ocorrência pode ser feito online em: https://www.delegaciaeletronica.policiacivil.sp.gov.br/ssp-de-cidadao/home;

CENTRAL DE ATENDIMENTO À MULHER – LEI MARIA DA PENHA

– Disque 180;

– Mande email para: ligue180@mdh.gov.br;

– O serviço também fornece informações sobre os direitos da mulher, como os locais de atendimento mais próximos e apropriados para cada caso: Casa da Mulher Brasileira, Centros de Referências, Delegacias de Atendimento à Mulher (Deam), Defensorias Públicas, Núcleos Integrados de Atendimento às Mulheres, entre outros;

– A ligação é gratuita e o serviço funciona 24 horas por dia, todos os dias da semana. São atendidas todas as pessoas que ligam relatando eventos de violência contra a mulher;

DISQUE DIREITOS HUMANOS

– Disque 100;

– Atende situações graves de violação de direitos humanos, como os de violência contra a mulher, e aciona os órgãos competentes, possibilitando o flagrante;

CAMPANHA SINAL VERMELHO

– CNJ (Conselho Nacional de Justiça) e AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros) lançaram, em junho de 2020, a campanha Sinal Vermelho contra a violência doméstica. A ideia central é que a mulher consiga pedir ajuda em farmácias, órgãos públicos e agências bancárias com um sinal vermelho desenhado na palma da mão;

– Mais informações: sinalvermelho@amb.com.br.

To Top