Últimas Notícias

Combate à fome, pautas femininas e o que mais esperar da primeira-dama Janja

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – O cargo de primeira-dama é lembrado pela atuação das mulheres que o ocupam em ações de assistência social. Quem inaugurou isso foi Darcy Vargas, mulher de Getúlio Vargas, em 1942, quando criou a LBA (Legião Brasileira de Assistência). O objetivo era “promover a proteção à maternidade, à infância e à velhice, o incentivo à educação e a atenção à saúde e à habitação popular”.

Com o resultado da eleição de Lula (PT) neste domingo (30), a próxima a ocupar esse cargo é a socióloga Rosângela Silva, a Janja, 56 anos. Entra na vaga de Michelle Bolsonaro, esposa de Jair Bolsonaro (PL), que entre seus legados deixa o programa Pátria Voluntária, criado em 2019 para incentivar doações e estimular o trabalho voluntário em organizações. Michelle também teve sua passagem pelo Planalto marcada por trabalhos voltados para acessibilidade de pessoas surdas.

A mulher que ocupa o cargo de primeira-dama não ganha salário nem precisa cumprir obrigações oficiais como o marido. Mas, além de atuar no trabalho social, costuma acompanhar o presidente em eventos. Janja, porém, já disse que quer “ressignificar” a função. Apesar de não cravar quais serão seus projetos, deu algumas pistas ao longo da campanha sobre o caminho que deverá seguir.

Nos comícios em que participou com Lula, Janja falou mais de uma vez sobre querer voltar seus esforços para combater a fome no país. Ela usa um termo específico, segurança alimentar, que diz respeito a um trabalho governamental visando garantir a alimentação do povo de maneira contínua, com programas e políticas públicas específicas.

“Se eu puder contribuir em alguma coisa nessa campanha, nesse governo, que se Deus quiser tudo vai dar certo, vai ser justamente na questão da segurança alimentar voltada para as mulheres”, declarou ela em abril, durante um encontro com eleitores no bairro da Brasilândia, em São Paulo.

Segundo Janja, “a cara da fome do Brasil é a cara das mulheres”, já que é a população feminina que ocupa a linha de frente no cuidado com a família e na alimentação com os filhos.

A próxima primeira-dama disse dedicar “um carinho muito especial” por toda a pauta das mulheres. Por isso, deve agir também pela garantia de direitos e combate à violência.

Janja chegou a ser apontada como a principal responsável pela inclusão de temas ligados às mulheres no plano de governo de Lula.

No documento, o presidenciável cita o investimento em programas de proteção a vítimas de violência doméstica, a mulheres negras e a população LGBTQIA+. Também cita o fortalecimento do SUS para o atendimento da população feminina.

O foco de Janja no tema da segurança alimentar se estende, segundo ela, a todo o sistema de produção de alimentos. Ela tem se aproximado de ativistas da área, como Bela Gil, de quem é amiga, e se posiciona sobre a importância de cultivos mais sustentáveis.

A área também tem a ver com a carreira dela: ela tem MBA em Gestão e Sustentabilidade e trabalhou na hidrelétrica Itaipu Binacional por 15 anos e, foi coordenadora de programas voltados ao desenvolvimento sustentável.

Janja também é apontada como a responsável por atrair os olhos do presidente para a causa animal. Em evento realizado pela candidata à deputada federal do Distrito Federal Vanessa Negrini (PT), Lula se encontrou com movimentos sociais pela libertação animal e dialogou com ativistas e coletivos conhecidos, como o Vegano da Periferia e Luisa Mell.

QUEM É JANJA

Janja também é apontada como a responsável por atrair os olhos do presidente para a causa animal. Em evento realizado pela candidata à deputada federal do Distrito Federal Vanessa Negrini (PT), Lula se encontrou com movimentos sociais pela libertação animal e dialogou com ativistas e coletivos conhecidos, como o Vegano da Periferia e Luisa Mell.

Janja é filiada ao PT desde 1983, e fez parte da vigília que acompanhou os 580 dias em que Lula ficou preso em Curitiba. Apesar de estarem juntos desde 2018, ano da condenação de Lula, a primeira aparição pública do casal só aconteceu em 2019, quando o petista foi colocado em liberdade. Ela e o presidente se casaram em maio deste ano, em uma cerimônia reservada.

To Top