Brasil

Economistas latino-americanos pedem ao FMI que crie fundo para lidar com dívida de emergentes

Por Andrea Shalal

WASHINGTON (Reuters) – Alertando sobre o aumento do risco associado à fragilidade e aos níveis recordes de dívida soberana, um grupo dos principais economistas latino-americanos pediu nesta quarta-feira que o Fundo Monetário Internacional (FMI) adote reformas imediatas semelhantes às dos bancos centrais para se preparar para a próxima crise dos mercados emergentes.

O Comitê Latino-Americano de Assuntos Macroeconômicos e Financeiros (Claaf), que inclui os principais economistas e ex-ministros das finanças dos países-membros, pediu ao FMI que crie um Fundo de Mercados Emergentes de 300 bilhões de dólares que possa fazer compras temporárias de dívida soberana de países selecionados com fundamentos sólidos.

O grupo disse que o FMI atualmente carece de ferramentas, financiamento e flexibilidade para enfrentar um contágio financeiro que pode se espalhar para países saudáveis em uma economia global instável.

“Os mercados emergentes foram atingidos durante e após a pandemia. Embora tenhamos passado pelo pior no momento, a lição da pandemia é que o FMI precisa de mais poder de fogo para se preparar para a próxima crise ou choque global”, disse Liliana Rojas-Suarez, que preside o grupo e lidera a Iniciativa da América Latina no Centro para o Desenvolvimento Global.

A proposta surge em meio a tensões crescentes entre o FMI e a Argentina, que busca reestruturar seu programa de 44 bilhões de dólares com o Fundo diante de uma inflação de quase 109% e reservas em dólares cada vez menores. Economistas também alertaram sobre o risco devido aos níveis recordes de dívida soberana em outras economias de mercados emergentes.

A Claaf disse que o novo fundo deve ser gerido pelo FMI, mas ter seu próprio balanço, capitalizado com 300 bilhões de dólares, o que equivale a cerca de 20% do total da dívida soberana internacional dos mercados emergentes. A instituição disse que o capital poderia ser apoiado por linhas de swap dos principais bancos centrais dos países ricos.

O fundo deveria intervir apenas em situações em que a probabilidade de uma parada súbita sistêmica de influxos de capital para mercados emergentes fosse muito alta, disse o grupo, acrescentando que ajudaria o FMI a fornecer liquidez rapidamente se necessário em uma crise.

“Muitas vezes as mãos do FMI estão atadas diante de uma crise financeira. Este novo fundo permitiria que ele desempenhasse as funções de um credor internacional de último recurso e fornecesse rapidamente a liquidez que os mercados emergentes precisam”, disse Rojas-Suarez.

Em casos como a Argentina, em que um país falha repetidamente em suas metas de reforma, os programas do FMI devem ser refinanciados com uma sobretaxa de juros, mas sem exigir um novo programa de reformas econômicas e impor uma série de renúncias, disse a Claaf.

A comissão também pediu mudanças na Estrutura Comum do Grupo dos 20 para tratamentos de dívida de forma a permitir tratamento diferenciado de diferentes classes de dívida e excluir a dívida interna.

tagreuters.com2023binary_LYNXMPEJ560U6-BASEIMAGE

To Top