Últimas Notícias

Inflação desacelera a 0,23% em maio e fica abaixo das projeções

RIO DE JANEITO, RJ (FOLHAPRESS) – O índice oficial de inflação do Brasil desacelerou para 0,23% em maio, após subir 0,61% em abril, segundo dados do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) divulgados nesta quarta-feira (7) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O resultado surpreendeu o mercado financeiro ao ficar abaixo da mediana das projeções. Analistas consultados pela agência Bloomberg projetavam alta de 0,33% em maio.

Com a nova variação, o IPCA atingiu 3,94% no acumulado de 12 meses, informou o IBGE. É o menor nível desde outubro de 2020 (3,92%). Nesse recorte, o índice estava em 4,18% até abril.

PASSAGEM AÉREA, GASOLINA E ALIMENTOS IMPACTAM DADO DE MAIO

A variação de 0,23% é a menor para meses de maio desde 2020 (-0,38%), fase inicial da pandemia. Dos 9 grupos de produtos e serviços pesquisados, 7 tiveram alta no mês passado, disse o IBGE.

O principal impacto (0,12 ponto percentual) e a maior variação (0,93%) foram do segmento de saúde e cuidados pessoais. Na sequência, vieram habitação (0,67%) e despesas pessoais (0,64%), com 0,10 ponto percentual e 0,07 ponto percentual, respectivamente.

Os preços dos grupos de transportes (-0,57%) e artigos de residência (-0,23%), por outro lado, recuaram em maio. No primeiro, destacam-se as quedas das passagens aéreas (-17,73%) e dos combustíveis (-1,82%). Houve reduções no óleo diesel (-5,96%), na gasolina (-1,93%) e no gás veicular (-1,01%).

Individualmente, os principais impactos para baixo na inflação de maio vieram das passagens aéreas (-0,11 ponto percentual) e da gasolina (-0,10 ponto percentual).

Segundo o IBGE, a desaceleração do IPCA também foi influenciada pelo grupo alimentação e bebidas. O segmento passou de alta de 0,71% em abril para 0,16% no mês passado.

“Trata-se do grupo com maior peso no índice, o que acaba influenciando bastante no resultado geral”, disse André Almeida, analista da pesquisa do IBGE.

Na alimentação, o principal destaque veio da alimentação no domicílio, que passou de 0,73% no mês anterior para uma estabilidade em maio. Houve quedas nos preços das frutas (-3,48%), do óleo de soja (-7,11%) e das carnes (-0,74%).

Por outro lado, os preços do tomate (6,65%), do leite longa vida (2,37%) e do pão francês (1,40%) mostraram altas. “Nos casos do tomate e do leite, os aumentos de preço estão relacionados a uma menor oferta”, disse Almeida.

META DE INFLAÇÃO E JUROS

Em 2023, o centro da meta de inflação, que serve como referência para o BC (Banco Central), é de 3,25%. O intervalo de tolerância é de 1,5 ponto percentual para mais (4,75%) ou para menos (1,75%).

Ou seja, o IPCA está abaixo do teto da meta nos 12 meses até maio (3,94%). Analistas, porém, esperam que a inflação acumulada volte a ganhar força no segundo semestre, após perder ritmo na primeira metade de 2023.

Parte dessa projeção está associada ao efeito da base de comparação. Às vésperas das eleições de 2022, os preços de produtos como a gasolina foram reduzidos de maneira artificial pelo corte de tributos promovido pelo governo Jair Bolsonaro (PL).

Esse efeito deve sair do cálculo dos 12 meses até o fim do ano. Em junho e julho, também é esperado que a gasolina seja pressionada pela nova alíquota de ICMS (imposto estadual) e pelo retorno integral de tributos federais.

Na mediana, a variação prevista pelo mercado financeiro para o IPCA é de 5,69% no acumulado até dezembro, de acordo com o boletim Focus mais recente, publicado pelo BC na segunda-feira (5).

A projeção da semana anterior era maior, de 5,71%. Mesmo em baixa, a estimativa continua sinalizando o terceiro ano consecutivo de estouro da meta.

O Copom (Comitê de Política Monetária), ligado ao BC, vem mantendo a taxa básica de juros (Selic) em 13,75% ao ano sob argumento de que busca conter a inflação.

Ao esfriar a demanda por bens e serviços, a medida tenta frear os preços e ancorar as expectativas para o IPCA.

O efeito colateral previsto é a perda de fôlego da atividade econômica, porque o custo do crédito fica mais alto para os investimentos das empresas e o consumo das famílias.

No PIB (Produto Interno Bruto) do primeiro trimestre de 2023, os investimentos produtivos na economia brasileira tiveram queda, enquanto o consumo desacelerou.

A agropecuária pegou a contramão. Com o estímulo à safra agrícola vindo da melhoria nas condições climáticas, o campo puxou a alta de 1,9% no PIB de janeiro a março.

A possível desaceleração da atividade econômica nos próximos meses preocupa o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Desde o início do mandato, Lula e aliados vêm defendendo a redução dos juros e fazendo críticas em série ao presidente do BC, Roberto Campos Neto.

O Copom volta a se reunir nos dias 20 e 21 de junho para definir o nível da Selic. Antes da divulgação do IPCA de maio, analistas projetavam redução da taxa somente a partir do segundo semestre, em agosto ou setembro.

To Top