Brasil

China pede mais irrigação para safra de algodão afetada pelo calor

Por Qin Ningwei e Dominique Patton

PEQUIM (Reuters) – O Ministério da Agricultura da China exortou nesta terça-feira os produtores de algodão do maior produtor mundial a aumentar a irrigação e fertilização diante das temperaturas escaldantes que atingiram as principais áreas de cultivo durante o período crítico de floração.

Grandes áreas da China experimentaram períodos de altas temperaturas recordes desde o mês passado e, no domingo, uma cidade na região noroeste de Xinjiang quebrou recordes quando a temperatura atingiu 52,2°C.

Xinjiang produz cerca de 90% do algodão da China, mas a área plantada caiu cerca de 8% este ano, em parte por causa do clima frio e chuvoso que matou as mudas na primavera, de acordo com um trader da China.

O Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais disse em sua atualização mensal da safra na semana passada que as altas temperaturas afetaram o crescimento do algodão em algumas regiões.

Os agricultores devem regar o algodão se não chover por mais de sete dias ou se a temperatura média diária ultrapassar os 32°C e se a ponta do algodoeiro apresentar sinais de murcha, informou o ministério em comunicado.

Os futuros de algodão negociados na Dalian Commodity Exchange estão em seu nível mais alto em um ano, em 17.135 iuanes (2.388,65 dólares) por tonelada métrica.

Apesar de uma redução esperada na produção no ano-safra 2023/24, o ministério cortou na semana passada sua previsão para as importações de algodão devido à demanda mais fraca do que o esperado das empresas têxteis.

(Reportagem de Ningwei Qin e Dominique Patton)

tagreuters.com2023binary_LYNXMPEJ6H0GL-BASEIMAGE

To Top