Economia

Crédito aperta por política monetária, mas estresse bancário está mais contido, avalia FMI

O Fundo Monetário Internacional (FMI) afirma que, após os temores sobre o setor bancário ocorridos em março de 2023, quando houve a quebra de bancos menores nos Estados Unidos, como o Silicon Valley Bank (SVB), e a operação na Suíça que envolveu o Credit Suisse, comprado pelo UBS, o quadro parece agora mais contido. Em seu relatório Perspectiva Econômica Mundial, o Fundo lembra que as altas de juros na política monetária resultam em aperto no crédito.

Segundo o FMI, a ação das autoridades americanas e suíças foi “rápida” nos dois casos, para conter os problemas no setor bancário. Agora, o Fundo lembra que houve altas nos juros nas economias avançadas nos últimos 18 meses, diante das pressões inflacionárias, o aperto na política monetária para além das taxas neutras, o que “deve perdurar bem entrado o ano de 2025”, estima.

O FMI diz que os sinais do aperto na política monetária já começaram a atuar pelo sistema financeiro. Pesquisas nos EUA e na Europa registram que os bancos restringiram o crédito “de modo considerável” no último ano, o que deve continuar a ocorrer nos próximos meses. “E há também sinais claros de que as condições mais apertadas no crédito cada vez mais afetam a atividade real.”

Nas economias avançadas, houve queda na demanda por crédito e investimento no primeiro semestre do ano, o que reflete a oferta mais apertada, bem como a demanda mais fraca por crédito, com muitas empresas começando a desalavancar em resposta aos juros mais elevados e à produção acima da capacidade.

Os juros mais altos devem elevar a pressão sobre os bancos nas maiores economias, direta (com custos mais altos para financiamento) e indiretamente (com a piora na qualidade do crédito), projeta o FMI. Os mercados imobiliários já têm reagido, com os preços de moradia desacelerando ou mesmo caindo, desde o início do ciclo de aperto em vários países. As taxas de falência têm aumentado em algumas economias, em alta de 20% nos EUA ao longo do último ano, conforme medidas da época da pandemia são retiradas.

O FMI ainda comenta que o número de falências segue abaixo do quadro anterior à pandemia em vários países, “mas está subindo rapidamente”. Os mercados de dívida, por sua vez, já refletem a política monetária mais apertada, mas nos países com risco considerado mais baixo o quadro tem ficado “mais ou menos constante”.”Isso sugere que, embora as condições de crédito tenham apertado de modo significativo, não há indicação imediata de uma crise de crédito”, avalia.

To Top