Benefícios

Aposentadorias que podem ser simuladas dentro do MEU INSS

INSS Dinheiro Previdência
rafastockbr/Shutterstock.com

Aposentadorias que podem ser simuladas dentro do MEU INSS Como simular a aposentadoria no INSS pela internet é, sem dúvidas, uma das perguntas mais pesquisadas pelos trabalhadores no Google e, por isso, decidi trazer todas as informações que você precisa sobre essa simulação.

Além de todas essas informações, e o passo a passo para simular a sua aposentadoria pelo Meu INSS, também quis te trazer um alerta sobre esses robôs do INSS que, teoricamente, facilitam a vida, mas podem acabar reduzindo drasticamente o valor do seu benefício.

NOVO SIMULADOR DO INSS: VOLTOU A FUNCIONAR?

No ano de 2022, o simulador de aposentadorias do INSS ficou “off” por um bom tempo.

Isso aconteceu porque em maio de 2022, o INSS trouxe de volta o cálculo de aposentadoria com a aplicação do divisor mínimo.

E, por conta disso, todo o sistema precisou ser atualizado, então o simulador ficou 6 meses fora do ar, retornou em 2023 e pegou muitos segurados de surpresa: o valor da simulação da aposentadoria diminuiu!

Com o novo cálculo, muita gente acabou se assustando com o novo valor da aposentadoria:

  • os trabalhadores com menos de 108 contribuições após julho de 1994, podem ter o divisor mínimo aplicado e, consequentemente, o valor da aposentadoria diminuído.

O QUE É O SIMULADOR DO INSS?

O simulador do INSS é uma ferramenta que tem o objetivo de apresentar algumas informações sobre o seu benefício de aposentadoria.

Assim, teoricamente, o simulador do INSS irá dizer se você já tem ou não o direito de se aposentar, segundo os dados que o INSS tem sobre a sua vida.

Os dados analisados pelo INSS nessa simulação são restritos aos dados do seu CNIS – extrato de contribuições previdenciárias.

Ou seja, o robô do INSS vai pegar as informações do seu CNIS e ver se você já preencheu algum requisito de aposentadoria e te informar.

Esse é o mesmo sistema utilizado pelo INSS para analisar os pedidos de aposentadoria e, infelizmente, o que vemos diariamente é uma enxurrada de benefícios negados.

QUAIS TIPOS DE APOSENTADORIAS POSSO SIMULAR NO INSS?

O simulador do INSS somente analisa as regras de aposentadoria comuns, ou seja:

  • aposentadoria por idade
  • aposentadoria por tempo de contribuição
  • aposentadoria por idade pela regra de transição
  • aposentadoria por tempo de contribuição pela regra de transição por pontos
  • aposentadoria por tempo de contribuição pela regra de transição por idade
  • aposentadoria por tempo de contribuição pela regra de transição — pedágio 50%
  • e aposentadoria por tempo de contribuição pela regra de transição — pedágio 100%

POR QUE NÃO CONSIGO SIMULAR APOSENTADORIA?

Se você faz parte de um grupo de trabalhadores com regras de aposentadoria diferenciadas: o simulador do INSS não é para você.

Como te contei, o simulador apenas analisa as regras da aposentadoria comum, sejam elas antigas, de transição ou novas.

Se você for professor, por exemplo, o simulador não vai te fornecer a simulação da sua aposentadoria real, pois não irá descontar a sua redução de 5 anos no tempo de contribuição.

Ainda, se você tem tempo de contribuição no regime geral e no regime próprio, o seu tempo de contribuição pago ao regime próprio não será contabilizado pelo simulador pelo INSS. 

Agora, se a sua atividade de trabalho ocorrer em um ambiente com agentes nocivos à sua saúde ou com você correr risco de vida, você tem direito a aposentadoria especial e, por isso, tem regras de aposentadoria diferentes, que o simulador não calcula.

Outro grupo de trabalhadores que o simulador do INSS não calcula a aposentadoria é o das pessoas com alguma condição de deficiência.

Então se você faz parte de um desses grupos, vou te dar um conselho de especialista em aposentadorias:

  • não perca tempo simulando sua aposentadoria no site do Meu INSS, procure direito um escritório especializado em direito previdenciário para ter uma análise correta! 

COMO FAZER A SIMULAÇÃO DO VALOR DA APOSENTADORIA?

Para fazer a simulação de aposentadoria no INSS é bem simples, tudo é feito pelo site ou aplicativo do Meu INSS.

Após faze o login com o seu CPF e a sua senha, siga esse passo a passo:

  1. Procure a aba que tem escrito a seguinte frase: “Do que você precisa?”
  2. Em seguida, escreva “simular aposentadoria”
  3. Aperte para entrar no simulador de aposentadoria
  4. Confira ou altere seus dados, como data de nascimento ou vínculos, clicando no lápis
  5. Depois clique em “Recalcular”;
  6. A partir do resultado você pode clicar em “Baixar PDF”
  7. Pronto, a simulação feita pelo INSS está salva no seu celular ou computador.

COMO ENTENDER A SIMULAÇÃO DO INSS?

Ao baixar a sua simulação do INSS, você verá um documento bem parecido com esse:

Nele, você terá as seguintes informações:

  • as possibilidades de aposentadoria pelas regras comuns
  • qual o seu tempo de contribuição total, segundo o seu CNIS (caso o seu extrato tenha algum indicador, esse tempo não será computado)
  • o tempo de contribuição que você ainda precisa ter para conseguir se aposentar pelo INSS
  • se já adquiriu direito a alguma regra de aposentadoria, segundo o simulador
  • a sua idade (confirme a sua data de nascimento) e a idade mínima para fazer o seu pedido de aposentadoria
  • o seu tempo de carência (número mínimo de contribuições para atingir algum benefício) e quanto falta para você conseguir se aposentar
  • a sua pontuação para algumas regras
  • e os valores aproximados do seu benefício final

O QUE O SIMULADOR DO INSS NÃO ANALISA?

Como vimos, o simulador do INSS não analisa as regras de aposentadorias diferenciadas e, por isso:

  • ele não verifica se você tem direito a uma aposentadoria especial
  • ele não verifica se você tem direito a uma aposentadoria de professor
  • ele não verifica se você tem direito a uma aposentadoria de PCD

Mas não é apenas isso que o simulador do INSS deixa de analisar, separei uma lista de coisa que ele não faz nessa simulação:

  • ele desconsidera todas as contribuições que estejam com algum indicativo de pendência no seu CNIS (algum erro que precisa ser resolvido)
  • não considera os vínculos de regime próprio
  • não soma o período com contribuição em duplicidade
  • não sabe se você tem tempo como trabalhador rural em economia familiar
  • não sabe se você já foi menor aprendiz
  • não sabe se você já prestou serviço militar obrigatório ou voluntário
  • não simula conversão de tempo especial em tempo comum
  • não sabe se você teve vínculo reconhecido em processo trabalhista
  • não te fala se você pode realizar alguma contribuição em atraso
  • não considera as suas futuras contribuições.
  • pode somar as remunerações aos valores recebidos a título de pensão por morte, trazendo valores errados de aposentadoria

Mas sabe o que é pior ainda? O simulador de aposentadoria não garante nada!O cálculo realizado na simulação, vale apenas para aquele momento, então,  pode ser que se você simular outro dia o valor mude, para mais ou para menos:

SIMULADOR DO INSS É CONFIÁVEL?

De forma bem direta, te digo que o simulado do INSS não é confiável!

Motivos para desconfiar dessa simulação não faltam:

  • não analisa todas as regras
  • não garante a aposentadoria no valor simulado
  • não tem acesso aos seus documentos

Mas para te mostrar, na prática, como o simulador pode te prejudicar, eu trouxe um caso real de como o simulador pode te enganar e fazer você escolher a primeira aposentadoria que você conseguir, passando longe do seu melhor benefício.

Essa segurada, era professora e, por isso, estranhou que ainda precisasse completar tantos anos de tempo de contribuição para as demais regras de aposentadoria e procurou uma especialista em aposentadoria para analisar seu caso.

Como o simulador do INSS só calcula as regras de aposentadoria comuns, ele não simulou as regras específicas para professores, que garantem uma redução de 5 anos na idade mínima.

Ou seja, a simulação do INSS foi completamente equivocada no caso dela.

Após fazer a consulta previdenciária, essa professora descobriu que teria direito a outras regras de aposentadoria, com valores muito melhores.

Nessa consulta, o melhor benefício para essa trabalhadora foi o fornecido pela regra de aposentadoria do pedágio de 100%: mais de R$ 2.260,21 de diferença!

Ela vai ganhar quase o dobro do que o simulador do INSS tinha previsto:

Então a minha dica de especialista de hoje é: não confie no simulador do INSS, lembre-se que a aposentadoria só é pedida uma vez, procure uma equipe especialista em direito previdenciário para te orientar.

PLANEJAMENTO PREVIDENCIÁRIO MUDA A SIMULAÇÃO DE APOSENTADORIA DO INSS?

Sim, o planejamento previdenciário pode mudar COMPLETAMENTE a simulação de aposentadoria feita pelo INSS.

No planejamento previdenciário, a advogada previdenciária da sua confiança  irá verificar todas as particularidades que você possa imaginar: 

  • o seu histórico de trabalho
  • quais vínculos de emprego teve
  • quantos recolhimentos foram feitos
  • se você tem algum tempo “escondido”
  • se pode ter mais de uma aposentadoria
  • quais regras se aplicam melhor ao seu caso
  • verificando, inclusive, a sua saúde, porque ela também pode ter influência sobre os seus direitos

Após toda essa análise, ela irá fornecer um documento com todas as informações que você precisa para conseguir alcançar o seu melhor benefício!

Só para você ter uma ideia de como o planejamento previdenciário pode mudar a simulação do INSS, eu separei 3 coisas que o simulador não analisa e que podem adiantar a sua aposentadoria!

ANÁLISE E ACERTO DE CNIS

Um dos grandes diferenciais do planejamento é a análise que a especialista irá fazer do seu CNIS.

O CNIS é um dos principais documentos para o pedido de aposentadoria, toda a análise do simulador do INSS é feita com base no seu CNIS, então se existir qualquer indicador nesse documento, provavelmente o INSS irá desconsiderar esse vínculo de trabalho. 

Alguns indicadores que podem fazer com que o INSS desconsidere o seu tempo de contribuição são:

  1. AEXT-VI – Acerto de vínculo extemporâneo indeferido: indica que houve tentativa de acerto de vínculo, mas a documentação apresentada não foi suficiente para correção pelo INSS.
  2. IGFIP-INF – Indicador de GFIP meramente informativo: significa que o INSS tem uma indicação da guia de recolhimento, mas o período não está comprovado, por isso não contará para os benefícios previdenciários. Apesar do nome enganar, essa sigla indica que algo precisa ser arrumado, será necessário comprovar a atividade exercida e as remunerações recebidas por provas documentais.
  3. IREC-INDPEND – Recolhimentos com indicadores e/ou pendências: é um indicador que informa a existência de pendências na contribuição. É importante que a professora procure o INSS ou uma equipe especializada para verificar exatamente qual pendência é esta.

Assim, no planejamento previdenciário, a advogada especialista irá conferir se tudo foi devidamente anotado e calculado no seu CNIS pelo INSS.

Ainda, irá verificar se o INSS colocou algum indicador no seu extrato e descobrir como regularizar a situação.

Lembre-se que, na maioria das vezes, esse indicador fala que alguma coisa não está certa e por isso essa contribuição não será contada até ser regularizada.

INCLUSÃO DE VÍNCULO DE TRABALHO

Sabe aquela sacola de documentos velhos que você tem guardada em casa? Pois é, ela pode adiantar a sua aposentadoria!

Infelizmente, o CNIS, além de apresentar indicadores, muitas vezes está incompleto e, por isso, o planejamento previdenciário pode mudar a sua simulação do INSS.

É possível incluir vínculos de trabalho dentro do seu CNIS, mas para isso é preciso ter a comprovação desse trabalho, então nada de jogar fora aquela sua primeira carteira de trabalho. Mesmo apagadinho, esse documento vale ouro na hora de se aposentar:

INCLUSÃO DE TEMPO NO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA — RPPS

Outro grande benefício que o trabalhador pode ter com o planejamento previdenciário é a análise da inclusão do tempo de contribuição em regime próprio.

Entrou no serviço público, ficou um tempo e depois saiu? 

Atenção! Esse tempo pode ser contado na sua aposentadoria!

Mas para que ele seja contado pelo INSS, você precisa informar que tem essas contribuições, isso deve ser feito através de uma CTC — Certidão de Tempo de Contribuição comprovando esse período.

Lembrando que apenas ter a CTC não irá garantir esse período, deverá ser feita a averbação desse documento no INSS.

COMPARTILHE ESSAS INFORMAÇÕES SOBRE O SIMULADOR DO INSS

Pronto, agora você já tem todas as informações importantes sobre o simulador do INSS!

Gostou das informações? 

Então já envia esse texto e compartilha as informações com os amigos e a família, basta clicar no link aqui embaixo e enviar para eles pelo seu WhatsApp.

WhatsApp

Carolina Centeno

CAROLINA CENTENO

Advogada Previdenciária e Trabalhista. Formada em Direito pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Inscrita na OAB/MS sob o nº17.183. Especialista em Direito Previdenciário e Direito Sindical. Palestrante. E-mail para contato

To Top