Internacional

Irlanda do Norte tem líder nacionalista pela primeira vez na história

Uma nacionalista irlandesa fez história neste sábado, 3, ao se tornar a primeira-ministra da Irlanda do Norte, quando o governo voltou ao trabalho após um boicote de dois anos por parte dos unionistas.

A vice-presidente do partido nacionalista Sinn Fein, Michelle ONeill, foi nomeada primeira-ministra do governo que, nos termos do acordo de paz da Sexta-Feira Santa de 1998, compartilha o poder entre as duas principais comunidades da Irlanda do Norte: os unionistas britânicos, que querem permanecer no Reino Unido, e os nacionalistas irlandeses, que querem se unir à Irlanda. A Irlanda do Norte foi estabelecida como uma parte unionista e de maioria protestante do Reino Unido em 1921, após a independência da República da Irlanda.

“Os dias de cidadania de segunda classe já se foram há muito tempo. O dia de hoje confirma que eles nunca mais voltarão”, disse ONeill. “Como republicana irlandesa, prometo cooperação e esforço genuíno e honesto com os colegas que são britânicos, de tradição unionista, e que prezam a União. Esta é uma assembleia para todos – católicos, protestantes e dissidentes.”

Nenhum dos lados pode governar sem o acordo com o outro. Os negócios governamentais pararam completamente nos últimos dois anos depois que o Partido Unionista Democrático (DUP, na sigla em inglês) fez um boicote em protesto contra questões comerciais relacionadas ao Brexit.

ONeill compartilhará o poder com a vice-primeira ministra Emma Little-Pengelly, do DUP. ONeill, cujo partido conquistou mais assentos na Assembleia da Irlanda do Norte nas eleições de 2022, terá o título de maior prestígio.

O ex-líder do DUP Edwin Poots foi eleito presidente da Câmara.

ONeill, 47 anos, foi eleita para a Assembleia de Stormont em 2007 e vem de uma família de republicanos irlandeses. Seu partido, Sinn Fein, era filiado ao grupo terrorista Exército Republicano Irlandês durante os Troubles, um período de cerca de 30 anos de conflito violento sobre o futuro da Irlanda do Norte que terminou com o acordo de paz da Sexta-feira Santa.

O ex-presidente do Sinn Fein, Gerry Adams, que ajudou a intermediar o histórico acordo de paz, estava na galeria da assembleia para ver a nomeação de ONeill.

O retorno ao governo ocorreu exatamente dois anos depois de um boicote do DUP por causa de uma disputa sobre restrições comerciais para produtos provenientes da Grã-Bretanha que entram na Irlanda do Norte. Os habitantes da Irlanda do Norte, estimados em 1,9 milhão, ficaram sem uma administração funcional, pois o custo de vida aumentou e os serviços públicos foram prejudicados.

Uma fronteira aberta entre o norte e a república era um pilar fundamental do processo de paz que pôs fim aos conflitos. Então foram instalados controles entre a Irlanda do Norte e o restante do Reino Unido.

Há um ano, um acordo entre o Reino Unido e a UE, conhecido como Windsor Framework, facilitou os controles alfandegários e outros obstáculos, mas não foi suficiente para o DUP, que continuou seu boicote.

O governo do Reino Unido concordou esta semana com novas mudanças que eliminariam as verificações de rotina e a burocracia para a maioria das mercadorias que entram na Irlanda do Norte, embora algumas verificações permaneçam para mercadorias ilegais ou prevenção de doenças.

As novas mudanças incluíram uma legislação que “afirma o status constitucional da Irlanda do Norte” como parte do Reino Unido e dá aos políticos locais “supervisão democrática” de quaisquer leis futuras da UE que possam se aplicar à Irlanda do Norte.

O governo do Reino Unido também concordou em dar à Irlanda do Norte mais de 3 bilhões de libras (R$ 24 bilhões) para compensar seus serviços públicos prejudicados quando o governo de Belfast voltar a funcionar.

“Acredito que meu partido conseguiu o que muitos disseram que não conseguiríamos”, disse o líder do DUP, Jeffrey Donaldson, do lado de fora da Assembleia em Stormont.

“Promovemos a mudança que muitos disseram não ser possível, e acredito que hoje é um bom dia para a Irlanda do Norte, um dia em que, mais uma vez, nosso lugar no Reino Unido e em seu mercado interno será respeitado e protegido em nossa lei e restaurado para que todo o nosso povo desfrute dos benefícios de nossa filiação à União.” Fonte: Associated Press.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

https://www.estadao.com.br/link/estadao-define-politica-de-uso-de-ferramentas-de-inteligencia-artificial-por-seus-jornalistas-veja/

To Top