Últimas Notícias

Rádio country se recusa a tocar nova canção de Beyoncé nos EUA e reacende debate sobre racismo

mixvale

Na manhã de terça-feira, Justin McGowan pediu aos DJs da KYKC, uma estação de rádio de música country, para tocar “Texas Hold ‘Em”, uma das duas novas músicas lançadas por Beyoncé e anunciadas num comercial do Super Bowl no domingo. A nova canção de Beyoncé, criada em Houston, no Texas, é uma balada country sobre festas caipiras com a participação de outra vencedora negra do Grammy, Rhiannon Giddens, no banjo e viola. O gerente da emissora, Roger Harris, respondeu McGowan por email com uma rejeição concisa:

“Não tocamos Beyoncé na KYKC, pois somos uma estação de música country”

Ao enviar o e-mail, Harris inadvertidamente reacendeu um debate antigo sobre como os artistas negros se encaixam em um gênero que tem a música negra em suas raízes. No anúncio do Super Bowl, Beyoncé brincou que seu novo lançamento iria “quebrar a internet”. E quebrou mesmo.

‘Bob Marley: One Love’: ‘Não pegamos leve com meu pai’, diz Ziggy Marley, produtor da cinebiografia

‘Swiftpósio’: Cientistas realizam conferência na Austrália para analisar fenômeno Taylor Swift

McGowan postou uma captura de tela da rejeição nas redes sociais, marcando um grupo de fãs de Beyoncé em uma postagem que obteve 3,4 milhões de visualizações no X (antigo Twitter) e gerou conversas no Reddit e TikTok.

“Isso é absolutamente ridículo e racista”, escreveu McGowan, incentivando outras pessoas a enviarem e-mails para a estação e solicitarem a música. Os fãs bombardearam a KYKC com centenas de e-mails e telefonemas, criticando a estação por não tocar a música, de acordo com Harris, o gerente da estação há 48 anos.

“Nunca experimentei nada em minha carreira como a quantidade de mensagens que recebemos em apoio à música”, disse ele.

Entre atender chamadas e ler e-mails de fãs irritados, Harris disse que a estação se apressou para obter uma versão de alta qualidade de “Texas Hold ‘Em”, que os DJs tocaram três vezes na noite de terça-feira.

Origens do Country

As novas músicas de Beyoncé serão de parte de um álbum que por enquanto se chama “act ii”. O trabalho será parte de um projeto de três volumes nos quais a cantora pretende reivindicar as raízes negras na música popular norte-americana. Harris afirmou que não estava ciente desse projeto e destacou que a rádio onde trabalha faz parte da Nação Chickasaw, que regularmente toca Beyoncé em suas estações de Top 40 e hits adultos.

“Nós não tocamos em nossa estação country porque ela não é uma artista country”, argumentou. “Bem, agora eu acho que ela quer ser, e estamos todos a favor.”

Esta não foi a primeira vez que as credenciais de música country de Beyoncé foram questionadas por árbitros do gênero. Quando a estrela submeteu “Daddy Lessons”, do álbum “Lemonade” (2016), para um Grammy na categoria country, o comitê da Recording Academy rejeitou o pedido, disse a Associated Press na época.

Em sua turnê atual, “Renaissance”, e no Grammy deste ano, Beyoncé aparece num estilo chique de rodeio, usando um chapéu de vaqueiro branco e terno de couro Louis Vuitton. Mas durante a perfomance de “Daddy Lessons”, em parceria com a banda country The Chicks no Country Music Awards, alguns fãs do gênero responderam com desprezo, argumentando que ela não fazia parte daquele ambiente.

A discussão sobre o que constitui música country e como a cor da pele afeta a conversa já havia surgido em 2019, quando a Billboard retirou “Old Town Road”, de Lil Nas X, das paradas de country. O Opry Negro (um centro de mídia social para artistas negros e fãs negros de country, blues e folk) usou a controvérsia da estação de rádio envolvendo Beyoncé para direcionar seus fãs para suas playlists no Spotify com outros artistas negros de música country.

Charles Hughes, diretor do Centro Lynne e Henry Turley Memphis na Faculdade de Rodes, disse que a rejeição inicial da estação de rádio de Oklahoma a Beyoncé simbolizava como “o rádio country tem excluído sistematicamente artistas de cor”, especialmente mulheres. Mas se alguém pode derrubar as barreiras no country, disse Hughes, são Beyoncé e seus fãs.

“Talvez esse poder crie um espaço expandido para todas essas grandes mulheres negras fazendo música country”, disse ele, “para torná-lo mais alinhado com as pessoas que amam música country e o país que ela deveria representar.”

To Top