Últimas Notícias

Mulher que deu à luz no chão de maternidade depois de médica recusar internação tem alta

No começo da tarde deste sábado, Queli Santos Adorno, de 35 anos, teve alta hospitalar após passar a semana internada depois de seu parto em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Ela estava hospitalizada desde que deu à luz no chão da recepção de uma maternidade na última semana. Após o nascimento do menino Azafe, ela precisou continuar na unidade por estar com a pressão alta desde o parto conturbado.

Petrópolis: Vítimas das chuvas recebem ajuda voluntária

Confira: Ministro da Justiça atendeu pedido do governador e prorrogou Força Nacional por mais 30 dias no Rio

— Ela teve alta, está em casa e bem, Graças a Deus. Ela e o bebezinho — contou a irmã Carine que acompanhou Queli no hospital.

Na última sexta-feira, mesmo com Queli chegando com antecedência na unidade hospitalar, ela teve a internação negada pela plantonista. Segundo a Prefeitura de Duque de Caxias, a médica foi demitida e vai ser aberta uma sindicância para apurar melhor os fatos.

Queli deu entrada no local às 22h, para ter o caçula. No primeiro atendimento, realizado por outra médica, ela foi alertada de que poderia entrar em trabalho de parto a qualquer momento e, por isso, deveria aguardar no local.

As contrações aumentaram e, depois de seis horas, ela passou por uma terceira análise clínica, desta vez com outra médica. Um documento escrito à mão e com o carimbo de Sheila Peixoto Atthie Maia mostra que a mesma mandou Queli retornar para casa. E registrou, ainda, a recusa de Queli.

Diante da não-internação, o bebê nasceu na recepção da maternidade, às 6h. A mãe e a criança foram amparados pela primeira médica, que voltava do descanso. Mas ela estava sem as luvas e o equipamento necessário.

— Eu falei, eu falei. Doutora negligente, eu falei. Disse tanto e ela não acreditou em mim — disse Queli, entre muito choro, deitada no chão e com o filho recém-nascido sob seus peitos.

No dia do ocorrido, os irmãos foram à delegacia, mas disseram que os policiais se recusaram a registrar o caso. Mesmo assim, a família contratou uma advogada. E vai cobrar justiça.

A Polícia Civil apura a denúncia sobre a recusa do registro na delegacia.

To Top