Últimas Notícias

Shein entra na mira da União Europeia e terá controles mais rígidos a partir de agosto

A Comissão Europeia, braço executivo da União Europeia (UE), incluiu nesta sexta-feira a gigante chinesa do comércio têxtil Shein entre as plataformas digitais sujeitas a regras de controle mais rígidas para operar no bloco.

A Shein, loja on-line especializada em moda, junta-se a um grupo que inclui plataformas como Facebook, X (antigo Twitter) e TikTok, que estão sujeitas a regras operacionais particularmente rígidas devido ao seu tamanho.

Capital: Shein já fatura mais de R$ 15 bilhões por ano no Brasil, calcula o BTG

Será? ‘Bolha’ do e-commerce de luxo está prestes a estourar?

De acordo com a Lei de Serviços Digitais (LSD), que regulamenta o setor, a Shein estará sujeita a regras mais rígidas a partir do fim de agosto.

Essas regras especiais, reservadas a grandes plataformas, incluem a implementação de medidas para “proteger os consumidores contra a compra de produtos inseguros ou ilegais”, afirmou a Comissão. Também exige medidas para evitar a “venda e distribuição de produtos potencialmente prejudiciais a menores de idade”.

Essas grandes plataformas também devem se submeter a uma auditoria externa independente uma vez por ano, às suas próprias custas.

Da Saara à Rua Teresa: Shein faz ofensiva para crescer ‘marketplace’ de vendedores locais e expande para o Rio

A Shein informou ter 108 milhões de usuários ativos mensais nos países da União Europeia.

Outra gigante do varejo on-line, a também chinesa Temu, deve ser a próxima a ficar sob vigilância da UE, com os seus mais de 70 milhões de usuários mensais ativos na UE em apenas um ano de operação.

To Top