Internacional

Coreia do Sul diz que Pyongyang está instalando seus próprios alto-falantes na fronteira

Os militares da Coreia do Sul disseram na segunda-feira,10, que estão detectando sinais de que a Coreia do Norte está instalando seus próprios alto-falantes ao longo de sua fronteira fortemente armada, um dia após o Sul ter transmitido propaganda anti-Pyongyang em seus alto-falantes pela primeira vez em anos, enquanto os rivais se envolvem em uma guerra psicológica ao estilo da Guerra Fria.

A retomada das transmissões por alto-falantes do Sul no domingo (9) foi uma retaliação pelo envio de mais de 1.000 balões cheios de lixo e esterco pelo Norte nas últimas semanas. A Coreia do Norte descreveu a sua campanha de balões como uma resposta aos grupos civis sul-coreanos que usam balões para espalhar panfletos de propaganda anti-norte-coreana através da fronteira. Pyongyang condena tais atividades, pois é extremamente sensível a qualquer crítica externa ao regime do líder Kim Jong Un.

A disputa em torno dos alto-falantes e dos balões aprofundou as tensões entre as Coreias, à medida que as conversas sobre as ambições nucleares do Norte continuam estagnadas.

Nas suas últimas conversas sobre planejamento nuclear em Seul, responsáveis dos Estados Unidos e da Coreia do Sul analisaram uma diretriz não revelada que mapeia as suas estratégias de dissuasão nuclear para combater as crescentes ameaças norte-coreanas. Eles também discutiram o fortalecimento do treinamento militar combinado dos aliados envolvendo recursos estratégicos dos EUA, disseram os participantes em entrevista coletiva.

Cho Chang-rae, vice-ministro de defesa para políticas da Coreia do Sul, e Vipin Narang, secretário adjunto interino de defesa para política espacial dos EUA, recusaram comentários específicos quando solicitados a avaliar a ameaça representada pelas atividades com balões da Coreia do Norte.

O Estado-Maior Conjunto de Seul não comentou o número de supostos alto-falantes da Coreia do Norte ou onde ao longo da fronteira eles foram vistos sendo instalados, dizendo que os alto-falantes ainda estavam em silêncio na tarde de segunda-feira.

Conflitos se intensificam

A Coreia do Sul ativou no domingo, 9, os seus alto-falantes para uma transmissão inicial para a Coreia do Norte, que supostamente incluía notícias, críticas sobre o governo da Coreia do Norte e música pop sul-coreana.

Horas depois, a poderosa irmã de Kim alertou que o Sul criou um “prelúdio para uma situação muito perigosa”. Ela disse que a Coreia do Sul testemunharia uma “nova resposta” não especificada do Norte se continuasse com as transmissões e não conseguisse impedir os ativistas civis de espalharem panfletos de propaganda anti-norte-coreana através da fronteira.

“Advirto severamente Seul para denunciar imediatamente as suas atividades perigosas que provocariam ainda mais uma crise de confronto”, disse Kim Yo Jong por meio da mídia estatal.

Lee Sung Joon, porta-voz do Estado-Maior da Coreia do Sul, disse que os comentários de Kim Yo representavam uma ameaça verbal intensificada da Coreia do Norte, mas não apresentou uma avaliação específica sobre as ações que o Norte poderia tomar. Lee disse que o Sul está realizando serviços em locais onde os soldados têm proteção suficiente e estão equipados para reagir rapidamente em caso de ataque.

“Nós não achamos que eles poderiam nos provocar tão facilmente”, disse Lee durante uma coletiva de imprensa na segunda-feira.

O Estado-Maior não especificou a área fronteiriça onde ocorreu a transmissão de domingo ou o que foi transmitido em alto-falantes. Afirmou que quaisquer detalhes adicionais são “inteiramente dependentes do comportamento da Coreia do Norte”.

‘Ansiedade e Perturbação’

O Sul retirou os alto-falantes das zonas fronteiriças em 2018, durante um breve período de envolvimento com o Norte sob o governo anterior liberal de Seul.

Ao decidir reiniciar as transmissões em alto-falantes, o gabinete presidencial da Coreia do Sul repreendeu Pyongyang por tentar causar “ansiedade e perturbação” no Sul e sublinhou que a Coreia do Norte seria “a única responsável” por qualquer futura escalada de tensões.

O Norte disse que sua campanha de balões ocorreu depois que ativistas sul-coreanos enviaram balões cheios de panfletos anti-norte-coreanos, bem como pendrives cheios de canções e dramas populares sul-coreanos. Pyongyang é extremamente sensível a esse tipo de material e teme que possa desmoralizar as tropas e os residentes da linha da frente e, eventualmente, enfraquecer o controle do líder Kim Jong Un no poder, dizem analistas.

Em 2015, quando a Coreia do Sul reiniciou as transmissões em alto-falantes pela primeira vez em 11 anos, a Coreia do Norte disparou tiros de artilharia através da fronteira, levando a Coreia do Sul a responder ao fogo, segundo autoridades sul-coreanas. Nenhuma vítima foi relatada. Fonte: Associated Press.

*Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado pela equipe editorial da Redação do jornal O Estado de S. Paulo. Saiba mais sobre a Política de IA em (https://www.estadao.com.br/link/estadao-define-politica-de-uso-de-ferramentas-de-inteligencia-artificial-por-seus-jornalistas-veja/)

To Top