Benefícios

Valor do teto do INSS em 2025 para os benefícios sociais

previdencia social meu inss (2)
Fotografia www.mixvale.com.br

Valor do teto do INSS em 2025 para os benefícios sociais No início de cada ano, aposentados e pensionistas veem seus benefícios previdenciários serem reajustados pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). A correção é feita pela inflação medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O piso das aposentadorias é vinculado ao salário mínimo e têm reajuste real, acima da inflação. Projeções da Genial Investimentos apontam que o mínimo pode chegar a R$ 1.508,66 em 2025, enquanto o teto dos benefícios pode chegar a R$ 8.092,54.

As projeções dos especialistas são diferentes das divulgadas pelo governo, que prevê um salário mínimo de R$ 1.502 no próximo ano. Os valores foram calculados a pedido da reportagem. O reajuste é dado para minimizar os impactos da inflação na renda dos beneficiários.

CONFIRA PARA QUANTO PODEM IR AS APOSENTADORIAS DO INSS EM 2025

Faixa do benefício202320242025
Faixa 1 (salário mínimo)R$ 1.320,00R$ 1.412,00R$ 1.508,66
Faixa 2R$ 1.500,00R$ 1.555,00R$ 1.616,89
Faixa 3R$ 2.000,00R$ 2.074,20R$ 2.155,86
Faixa 4R$ 2.500,00R$ 2.592,75R$ 2.694,82
Faixa 5R$ 3.000,00R$ 3.111,30R$ 3.233,79
Faixa 6R$ 3.500,00R$ 3.629,85R$ 3.772,75
Faixa 7R$ 4.000,00R$ 4.148,40R$ 4.311,71
Faixa 8R$ 4.500,00R$ 4.666,95R$ 4.850,68
Faixa 9R$ 5.000,00R$ 5.185,50R$ 5.389,64
Faixa 10R$ 5.500,00R$ 5.704,05R$ 5.928,61
Faixa 11R$ 6.000,00R$ 6.222,60R$ 6.467,57
Faixa 12R$ 6.500,00R$ 6.741,15R$ 7.006,54
Faixa 13R$ 7.000,00R$ 7.259,70R$ 7.545,50
Faixa 14R$ 7.500,00R$ 7.778,25R$ 8.084,47
Faixa 15 (teto)R$ 7.507,49R$ 7.786,02R$ 8.092,54

Os beneficiários receberão o reajuste na competência de janeiro, ou seja, nos valores recebidos no fim do primeiro mês do ano e no início de fevereiro de 2025.

Na data, aposentados e pensionistas poderão verificar o novo salário por meio do site e do aplicativo Meu INSS. Após o login, deve clicar no serviço “Extrato de Pagamento”, onde poderá verificar o valor e a data de recebimento.

Só receberá o valor completo do reajuste quem já recebia o benefício em janeiro de 2024. Aqueles que passaram a receber o salário neste ano, ganhará o reajuste conforme a inflação calculada nos meses correspondentes.

folha mercado

Receba no seu email o que de mais importante acontece na economia; aberta para não assinantes.

Carregando…

O reajuste é calculado usando a inflação acumulada durante o último ano usando o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), que verifica a variação do custo de vida médio de famílias com renda mensal de 1 a 5 salários mínimos.

Nas projeções da Genial Investimentos, a inflação acumulada deve ser de 3,94% neste ano, enquanto a SPE (Secretaria de Política Econômica) do Ministério da Fazenda projeta um acúmulo de 3,25%.

Estes grupos são mais impactados pelas variações dos preços, pois tendem a gastar seu rendimento em transporte, alimentação e medicamentos, segundo o IBGE .

Apesar de todos os beneficiários receberem o reajuste, o impacto na renda será maior para aqueles que recebem o valor mínimo. Desde a aprovação de novas diretrizes para a valorização do salário mínimo em 2023, a remuneração passa a receber um aumento que soma a inflação e o crescimento da economia.

Na prática, o aumento se traduz na soma do INPC acumulado do ano anterior e a variação do PIB (Produto Interno Bruto) de dois anos atrás. Quem recebe mais do que o valor mínimo do benefício, terá o salário corrigido apenas segundo o crescimento da inflação no ano anterior.

As projeções utilizam cálculos da Warren Investimentos, que divergem das projeções macroeconômicas atuais do governo. Enquanto a Warren prevê um acúmulo anual do INPC de 3,70%, o Ministério da Fazenda prevê a taxa em 3,25%.

A configuração atual dos reajustes é criticada por aposentados e pensionistas, sobretudo aqueles que recebem valores acima do salário mínimo. Segundo o Sindinapi (Sindicato Nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos da Força Sindical), o reajuste não é suficiente para cobrir o ônus causado pela variação de preços, e ano a ano, aposentados entram na faixa do salário mínimo para receber maior correção.

Em entrevista à Folha, o presidente do sindicato, Milton Cavalo, destacou que as faixas mais atingidas pela defasagem dos reajustes são aquelas que ganham um valor próximo do salário mínimo, mas não recebem a correção do piso.

Há propostas legislativas inspiradas pela insatisfação dos beneficiários: sindicatos e centrais sindicais apoiam o projeto de lei 1.468, que prevê a criação de um adicional de 5% nas aposentadorias e pensões do INSS a cada cinco anos.

Redigida pelo deputado Pompeu de Mattos (PDT-RS), a proposta modifica a lei 8.213, de 1996, que trata dos planos de benefícios da Previdência Social. O projeto garantiria o aumento de 5% a cada quinquênio (cinco anos) para todos os beneficiários do INSS, incluindo aquele que recebem o salário mínimo.

To Top