Economia

Membro do BCE vê menor pressão inflacionária e projeta chegada à meta de 2% em 2025

O integrante do conselho do Banco Central Europeu (BCE), Olli Rehn, afirmou nesta terça-feira, 11, que a forte pressão inflacionária na área do euro diminuiu e está abrandando em direção à meta de 2%. Em conferência de imprensa nesta terça-feira, 11, o também presidente do Banco da Finlândia afirmou que a inflação deverá atingir os 2% no próximo ano.

“Foram feitos progressos significativos na estabilização da inflação, especialmente depois de setembro de 2023. As condições financeiras foram mantidas restritivas, a fim de atenuar a demanda e manter as expectativas de inflação firmemente ancoradas no objetivo de inflação”, afirmou o membro do BCE.

“A desaceleração da inflação tem sido um pouco mais lenta nos últimos meses. Globalmente, porém, a dinâmica da inflação ainda aponta para um abrandamento da inflação no médio prazo, o que fortalece o poder de compra real”, disse Rehn. “A inflação subjacente, que é importante do ponto de vista da política monetária, líquida dos preços da energia e dos produtos alimentares, também deverá abrandar para cerca de 2% no próximo ano”, indica o dirigente.

“Continuaremos a determinar o nível e a duração das restrições em cada reunião do conselho com base nas informações mais recentes. Não estamos comprometidos com nenhuma taxa de juros específica antecipadamente”, apontou Rehn. “Na nossa tomada de decisões, avaliamos três fatores em particular: as perspectivas de inflação, a dinâmica da inflação subjacente líquida de preços dos produtos energéticos e dos produtos alimentares e a força da transmissão da política monetária”, indicou o dirigente.

To Top