MEU INSS: Como os segurados enxergam o site?
Benefícios

MEU INSS: Como os segurados enxergam o site?

INSS Previdência Pente-Fino Revisão Antencipação Salário Social Reforma da Previdência Aposentadoria Benefícios FGTS Bolsa Família Nis CNIS Extrato Banco Governo Pis Pasep Pis-Pasep Aposentado Idoso FGTS Caixa Banco do Cálculo Demora Brasil Maternidade Auxílio-Reclusão Saques Pagamento Vencimento Retiradas Refis MeuINSS Auxílio-Doença Aposentadoria Por Invalidez Contribuição BPC-Loas Pensão por Morte Pensionista Empréstimo MEi Consignado

MEU INSS: Como os segurados enxergam o site? O INSS está cada vez mais empenhado em melhorar seus canais de atendimento para facilitar a vida do segurado. Por isso, equipes do Instituto realizaram uma ação em uma agência de atendimento na região central de Brasília, para testar a usabilidade do Meu INSS. Baixe o Aplicativo Gratuito do Portal Mix Vale

A intenção é que o usuário, ao acessar o site ou o aplicativo, entenda a ferramenta e consiga fazer suas solicitações de forma rápida e prática.

INSS: Servidores marcam protesto para sexta-feira (14)(Abre numa nova aba do navegador)

Além da equipe do INSS, estava presente Fabio Bruni, da Secretaria de Governo Digital, do Ministério da Economia. “É fundamental avaliar a experiência do usuário. Participaram dos testes hoje pessoas de diversas faixas etárias, escolaridades e renda”, afirmou.

Conheça os recursos do novo aplicativo do Bolsa Família(Abre numa nova aba do navegador)

De acordo com Bruni, as pessoas apresentam graus diversos de dificuldades mas a maioria aprova o processo de digitalização dos serviços do INSS. E boa parte ainda tem barreiras para acessar de fato o serviço que precisa. “Tem muito o que melhorar ainda”, concluiu.

E o povo?

“Eu já tenho, já uso. Agora vai ser mais rápido”, frisou Vicente Kersul, de 67 anos, um dos segurados que participaram da ação realizada hoje na agência do INSS. Para ele o aplicativo é muito bom.

Teresinha Kersul, de 69 anos, torce para que a ferramenta melhore cada vez mais o atendimento. “Sempre fui bem atendida. Eu não sei mexer no celular e nem tenho internet em casa. Eu pego o telefone e ligo para o 135.”

Já Roselene da Silva, de 34 anos, espera maior agilidade e respeito com o beneficiário. “Geralmente a gente liga no 135 e não é atendido, ou demora demais. Acredito que tenha que ter alguém para nos ouvir. Vamos testar né?”

To Top