Bolsonaro não participa de videoconferência com presidentes sul-americanos sobre coronavírus
Últimas Notícias

Bolsonaro não participa de videoconferência com presidentes sul-americanos sobre coronavírus

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) decidiu não participar de uma videoconferência em que chefes de Estado da região discutiram atuações conjuntas para a crise do coronavírus.
A reunião online foi realizada, no início da tarde desta segunda-feira (16), no âmbito do Prosul – organismo internacional criado no ano passado por governantes de direita e de centro-direita na América do Sul.
O Brasil foi representando pelo ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores), que cumpre período de isolamento por ter tido contato com pessoas que contraíram o coronavírus. O chanceler fez parte da comitiva presidencial que, entre 7 e 10 de março, esteve na Flórida (EUA). Ele realizou o exame, que deu negativo, mas outros integrantes da missão oficial foram infectados.
Participaram da videoconferência diversos mandatários da região, entre eles os presidentes Alberto Fernández (Argentina), Martín Vizcarra (Peru), Mario Abdo Benítez (Paraguai), Sebastián Piñera (Chile), Lenín Moreno (Equador), Ivan Duque (Colômbia) e Jeanine Añez (Bolívia).
Segundo o Ministério da Saúde, o Brasil tem 200 casos confirmados e 1.913 suspeitos do novo coronavírus. O mais recente boletim da OMS (Organização Mundial da Saúde) informa que os demais países sul-americanos têm números menores de infectados.
O Chile tem 61 casos confirmados; a Argentina 45; o Peru 43; a Colômbia 24 e o Equador 23. Embora em números absolutos a presença do vírus seja menor nessas nações, algumas delas tomaram medidas drásticas para conter a doença em seus territórios.
Duque, por exemplo, anunciou que a entrada no país foi restringida a todos os estrangeiros, exceto os que têm residência permanente na Colômbia. Fernández, por sua vez, decretou a suspensão por 30 dias dos voos para a Argentina provenientes da Europa, Estados Unidos, Coreia do Sul, Japão, China e Irã.
Na videoconferência desta segunda, os participantes trataram de vários temas para melhorar a coordenação dos diferentes países na resposta ao coronavírus. Conversaram, por exemplo, sobre a possibilidade de países comprarem conjuntamente insumos hospitalares para obter o melhor preço. Também falaram sobre a possibilidade de facilitar a circulação de medicamentes entre os seus territórios e melhorar os controles sanitários nas fronteiras terrestres.
Ficou estabelecido que haverá em breve uma nova reunião online, dessa vez no âmbito do Mercosul.

To Top