Crise do coronavírus vai acelerar onda autoritária, diz cientista política
Últimas Notícias

Crise do coronavírus vai acelerar onda autoritária, diz cientista política

portalmixvaleultimasnoticias1200 (1)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Pela primeira vez neste século, a maior parte dos países do mundo não é uma democracia —e esse movimento deve aumentar nos próximos anos por causa da pandemia de coronavírus.
É essa a opinião da cientista política alemã Anna Lührmann, vice-diretora do V-Dem (Instituto de Variações da Democracia), entidade ligada à Universidade de Gotemburgo (Suécia) e responsável por um dos principais rankings que medem o nível de democracia no mundo.
“Nós já vimos isso acontecer na Hungria e na Polônia. A crise do coronavírus vai acelerar essa onda autoritária”, diz ela, que coordenou o relatório deste ano, divulgado no final de março.
O levantamento apontou que 92 países atualmente têm regimes autoritários, contra 87 democráticos.
Lührmann se diz especialmente preocupada com a situação do Brasil —o quinto país que mais caiu no ranking na última década.
“Os sinais do último ano em termos democráticos no Brasil têm sido bastante assustadores. A polarização crescendo, o discurso de ódio crescendo, ataques a jornalistas crescendo. Essa é a rota mais comum que os governos têm tomado em direção ao autoritarismo”, diz ela à reportagem.
*
Pergunta – No relatório deste ano, pela primeira vez desde 2001 há mais Estados autoritários do que democráticos no mundo. A atual pandemia de coronavírus vai intensificar esse movimento?
Anna Lührmann – Temo que sim. Nós sabemos por diferentes fontes que muitos governos podem abusar das medidas tomadas em situação de emergência para centralizar ainda mais o poder e neutralizar a oposição. E nós já vimos isso acontecer na Hungria e na Polônia. A crise do coronavírus vai acelerar essa onda autoritária.
Além disso, há um outro problema, poderemos ter um grande descontentamento com a crise econômica que virá. Esse cenário pode aumentar o apoio a líderes autoritários e populistas. Muitos partidos radicais se fortaleceram não por causa da economia, mas porque as pessoas estavam pessimistas com o futuro. Mas, de maneira geral, recessão nunca é bom para a democracia.

A Hungria já tinha perdido o status de democracia antes da crise do coronavírus, segundo o relatório. O que acontecerá com o país agora?
AL – Está ficando cada vez pior. [O premiê Viktor] Orbán agora está autorizado a governar por decreto, a impedir qualquer discussão ou crítica contra as medidas do governo para combater a Covid-19. Ele pode prender pessoas por até cinco anos. Isso está indo para um caminho muito, muito ruim. Espero que a Comissão Europeia e os partidos que são aliados dele no Parlamento Europeu tomem uma atitude.

A Hungria virou um modelo para outros líderes autoritários?
AL – Ela é um modelo de como um país pode ficar mais autoritário. Primeiro, você erode a liberdade de expressão e de imprensa; então, você ataca as outras organizações da sociedade civil. E só depois disso, quando você já conseguiu calar quase todas as vozes dissonantes, você ataca a liberdade da população e as eleições. Essa é uma tática em que a Hungria foi pioneira.

Mesmo democracias consolidadas, como os EUA e a maior parte da Europa Ocidental, têm restringido direitos básicos, como a liberdade de ir e vir e o direito de protestar, por causa do coronavírus. Quando a pandemia acabar, esses países também vão ficar mais autoritários?
AL – Podem, claro, mas não é algo que necessariamente vai acontecer. O estado de emergência permite que os governos respondam a situações fora do comum, como a crise do coronavírus, com medidas de exceção e retornem ao normal quando essa situação acaba. Temos que esperar para ver, mas muitas democracias devem sim seguir esse caminho.

A quantidade de protestos por democracia no mundo aumentou no ano passado. Isso vai ser afetado pela pandemia?
AL – Infelizmente vai, porque o movimento de resistência [ao autoritarismo] é basicamente de rua, de grandes protestos. E nesse momento protestos realmente não podem acontecer. Então é bastante complicado para cidadãos no Sudão, por exemplo, manter a pressão para o país ser mais democrático. Durante o auge da crise, é impossível termos protestos como tivemos no ano passado pelo mundo, mas espero que as pessoas se mobilizem novamente quando tudo isso acabar.

A América Latina teve muitos protestos no ano passado. Esse movimento também será afetado?
AL – Ainda é difícil fazer uma previsão sobre o que irá acontecer, mas tudo vai depender principalmente do como os cidadãos [da região] vão avaliar se os seus governos fizeram um bom trabalho ou não durante a crise de coronavírus.

E o Brasil nisso?
AL – Sei que há um debate sobre a posição do governo em relação a quais deveriam ser as medidas contra o coronavírus no Brasil. Nesse caso particular, isso pode fortalecer a oposição, já que a população pode considerar que um outro caminho teria sido melhor.
Apesar disso, os sinais do último ano em termos democráticos no Brasil têm sido bastante assustadores. A polarização crescendo, o discurso de ódio crescendo, ataques a jornalistas crescendo. Essa é a rota mais comum que os governos têm tomado em direção ao autoritarismo. É preocupante.

Por que a imprensa costuma ser o primeiro alvo de líderes autoritários?
AL – Porque é um alvo mais fácil do que acabar com as eleições. Todo mundo sabe que as eleições são parte essencial da democracia. Se você tenta acabar com eleições de cara, vai encontrar muita resistência. Então, os governos primeiro atacam a mídia e a sociedade civil, porque assim depois não haverá ninguém para resistir às medidas autoritárias. Tem uma citação que gosto muito: ‘Primeiro levaram os jornalistas. E ninguém sabe o que aconteceu depois disso’.
E os jornalistas podem virar ainda mais alvo durante a pandemia. Novamente, já vemos na Hungria uma lei que pune quem divulga fake news sobre o coronavírus e claramente permite que o governo tome decisões arbitrárias para prender jornalistas que são críticos ao governo.

RAIO-X
Anna Lührmann, 36
Formada em ciência política pela FernUniversität Hagen, foi eleita pelo Partido Verde para o Parlamento alemão em 2002, aos 19 anos, tornando-se a deputada mais jovem da história do país. Em 2009, deixou a carreira política e passou dois anos no Sudão, antes de retornar para a Alemanha e obter seu doutorado em política pela Humboldt University. Atualmente é vice-diretora do V-Dem (Instituto de Variações da Democracia), entidade ligada à Universidade de Gotemburgo (Suécia), na qual também dá aula.

To Top