Em São Paulo INSS não atende Segurados na reabertura agências
Benefícios

Em São Paulo INSS não atende Segurados na reabertura agências

INSS Previdência Social Reforma da Previdência Aposentadoria Benefícios FGTS Bolsa Família Nis CNIS Extrato Banco Governo Aposentado Idoso FGTS Caixa Banco do Cálculo Demora Brasil Maternidade Auxílio-Reclusão Saques Pagamento Vencimento Retiradas Refis MeuINSS Auxílio-Doença Aposentadoria Por Invalidez Contribuição BPC-Loas Pensão por Morte Pensionista Empréstimo Consignado

Em São Paulo INSS não atende Segurados na reabertura agências. Centenas de segurados que buscaram atendimento nas agências do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) na capital e na Grande SP voltaram para casa sem conseguir resolver as pendências para ter a renda previdenciária.

Anunciada para ocorrer a partir de ontem, a reabertura das agências em São Paulo foi barrada pela Justiça, após os servidores ingressarem com ação pedindo suspensão da medida. Os funcionários alegaram não haver segurança sanitária para retomar o atendimento. No restante do país, a reabertura foi mantida. O INSS informou que iria recorrer.

Em algumas agências, servidores voltaram a seus postos e orientavam os beneficiários sobre como deverá ser o atendimento. Os segurados recebiam a informação de que não haveria o atendimento esperado, mas que podiam tentar ser atendidos a distância, pelo Meu INSS ou telefone 135. Muitos deles, entretanto, já tinham tentado os canais remoto.

A doméstica Neilce Fernandes, 53, tinha agendamento no Glicério (região central) para tentar reativar o auxílio-doença. “Há mais de 15 dias estava agendado. Liguei no sábado para confirmar e disserm que não estaria fechada.”

O ajudante de serviços gerais Izaías Avelino Souza Lima, 34 anos, tinha perícia marcada na Vila Mariana (zona sul). “Estou desde fevereiro sem trabalhar e tentando receber o benefício e chego aqui e está tudo fechado. Como que vou fazer? Nem o auxílio emergencial consegui pedir.”

Mesmo em outros estados, em que as agências foram reabertas, não houve realização de perícia, pois os médicos peritos se recusaram a voltar ao trabalho, por considerarem que não havia segurança sanitária.

Adriano da Rocha foi à rua Xavier de Toledo (região central) com o cadeirante Sebastião da Silva, 66, que busca receber o benefício, mesmo sem agendamento e foi orientado a ligar no 135. (Havolene Valinhos, Laísa Dall’Agnol e Cristiane Gercina)

To Top