China rejeita preocupações com liberdade de Hong Kong após fechamento de jornal
Asia

China rejeita preocupações com liberdade de Hong Kong após fechamento de jornal

China rejeita preocupações com liberdade de Hong Kong após fechamento de jornal

O Ministério das Relações Exteriores da China rejeitou nesta sexta-feira os comentários do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, de que o fechamento do jornal Apple Daily, de Hong Kong, sinaliza a intensificação da repressão do governo chinês sobre a cidade semi-autônoma.

Também nesta sexta, a China aprovou as promoções de duas autoridades em uma ação que, segundo críticos, aumentará ainda mais o controle de Pequim sobre Hong Kong.

O secretário de segurança de Hong Kong, John Lee, foi nomeado secretário-chefe, a primeira vez que um especialista em segurança assume a posição de número dois no território desde sua transferência do domínio britânico para o chinês em 1997.

Biden disse na quinta-feira que o fim do Apple Daily era um “dia triste para a liberdade de imprensa”. Outras autoridades estrangeiras também expressaram preocupação com o fato de que o fechamento representava mais uma restrição às liberdades em Hong Kong, um portal de comércio e centro financeiro internacional.

O Apple Daily era um espinho para a China, misturando discurso pró-democracia com fofocas de celebridades e investigações de quem estava no poder em Pequim. O jornal foi forçado a encerrar uma jornada de 26 anos depois que as autoridades congelaram os fundos da empresa.

O fechamento ocorre após a imposição de uma lei de segurança nacional no ano passado em resposta aos enormes protestos pró-democracia em 2019.

Centenas de leitores leais fizeram fila nas bancas de jornal por toda a cidade para comprar as últimas edições.

Antecipando uma grande demanda para sua tiragem final, o Apple Daily imprimiu 1 milhão de cópias, ou mais de 10 vezes o normal. Alguns funcionários expressaram raiva e frustração.

“Depois de hoje, não há liberdade de imprensa em Hong Kong”, disse Dickson Ng, de 51, designer do jornal. “Estou muito desapontado e com raiva.”

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, rejeitou as críticas em uma entrevista coletiva em Pequim na sexta-feira.

“A posição do líder dos EUA não tem base factual”.

Autoridades de Hong Kong e da China têm dito repetidamente que a liberdade da imprensa é respeitada, mas não absoluta, e não pode colocar em risco a segurança nacional.

O fim do jornal representa o golpe mais sério até agora para a liberdade de imprensa em Hong Kong e pode potencialmente destruir a reputação da cidade como um centro de mídia, dizem grupos de defesa dos direitos humanos.

A chefe de direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet, criticou na quinta-feira a detenção do proprietário do Apple Daily, Jimmy Lai.

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH5O0JX-BASEIMAGE

To Top