Cinco capitais têm falta de vacinas contra Covid para primeira ou segunda dose
Últimas Notícias

Cinco capitais têm falta de vacinas contra Covid para primeira ou segunda dose

portalmixvalegoogle

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Ao menos cinco capitais brasileiras registram falta de vacinas contra a Covid-19 nesta terça-feira (14), segundo levantamento do jornal Folha de S.Paulo. O problema afeta aplicações de primeira e segunda doses.

As cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Velho e Palmas estão com falta de imunizantes da AstraZeneca para a segunda dose. Já Curitiba está temporariamente sem vacinas para a primeira dose.

O governo de São Paulo informa que têm, em todo estado, um déficit de 1 milhão de doses da AstraZeneca e que precisa ao todo de 1,4 milhão de unidades até 20 de setembro para completar seus planos para a segunda dose.

O governador João Doria (PSDB) decidiu que irá ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra a União para exigir a entrega de vacinas da AstraZeneca para segunda dose, caso o Ministério da Saúde não regularize os envios para o estado até a quarta (15).

Enquanto isso, prefeituras têm adotado os imunizantes da Pfizer como segunda dose de quem tomou AstraZeneca na primeira. Somente na capital paulista, 49 mil pessoas tomaram a segunda dose da Pfizer nesta segunda-feira (13).

Especialistas afirma que a medida é segura e, além de necessária para completar o esquema vacinal, pode até potencializar a resposta imunológica.

A situação é parecida no Rio de Janeiro. A prefeitura informou que o seu estoque de AstraZeneca está no fim, com algumas unidades já desabastecidas. Nesses casos, a secretaria municipal de saúde está ofertando a Pfizer para a segunda dose de quem tomou a primeira da AstraZeneca.

Em Porto Velho (RO), a prefeitura optou por suspender temporariamente a aplicação da segunda dose de AstraZeneca, em virtude da interrupção de envio de novas remessas pelo Ministério da Saúde.

Em Palmas (TO), há falta de AstraZeneca para segunda dose desde 9 de setembro.

Em Curitiba, faltam imunizantes para primeira dose. A prefeitura segue com o calendário de vacinação aberto apenas para gestantes e lactantes a partir de 12 anos. Toda a população adulta já foi chamada, mas ainda falta vacinar os adolescentes com a primeira dose na capital paranaense.

A prefeitura de Curitiba diz aguardar o recebimento de nova remessa de vacinas para a abertura da imunização para uma nova faixa etária com a primeira dose.

Já a aplicação de segundas doses segue normalmente na capital paranaense, inclusive com adiantamento de prazo dos imunizantes da Pfizer e da AstraZeneca, escalonado por idade.

Em João Pessoa, a prefeitura estava sem imunizantes para primeira dose nesta segunda-feira (13), mas recebeu novos lotes e já retomou a campanha nesta terça (14) para pessoas a partir de 18 anos. A aplicação da segunda dose segue normalmente na capital da Paraíba.

A falta de vacinas também atinge a terceira dose para idosos. A aplicação de reforço ainda não foi iniciada em ao menos seis capitais por falta dos imunizantes.

As prefeituras de Cuiabá, Manaus, Natal, João Pessoa e Porto Velho ainda aguardam que o Ministério da Saúde entregue as vacinas para começar esse processo.

Com baixo estoque para terceira dose, Porto Alegre começou a vacinar moradores de Instituições de Longa Permanência para Idosos com a nova dose durante o fim de semana.

O cenário é o mesmo em Curitiba, onde as doses de reforço ainda estrão restritas a idosos acamados e que moram em abrigos.

To Top