Fed reitera pausa em cortes de juros e de novo caminha para errar projeções
Economy

Fed reitera pausa em cortes de juros e de novo caminha para errar projeções

Por Lindsay Dunsmuir

WASHINGTON (Reuters) – O forte relatório de emprego dos Estados Unidos divulgado na sexta-feira deve dar ao Federal Reserve tudo aquilo de que precisa para manter seu plano de não reduzir ainda mais o juro em um futuro próximo.

Dessa forma, quando os formuladores de política monetária se reunirem nesta semana para deliberar sobre a política monetária, o foco maior estará nas perspectivas para o próximo ano e além.

Mas aqui está o problema: eles geralmente erram as projeções. E o próximo ano –com as complicações adicionais de uma guerra comercial em andamento e da eleição presidencial norte-americana– parece não ser exceção.

Paralelamente à sua decisão sobre a taxa de juros, as autoridades do Fed oferecem projeções econômicas e de juros em algumas reuniões, e a próxima publicação do chamado “gráfico de pontos” deve ocorrer ao final de sua reunião de política de dois dias, na quarta-feira.

O Fed deixou claro que planeja manter a taxa inalterada, a não ser que haja uma mudança “material” nas perspectivas econômicas dos EUA. Os formuladores de políticas avaliarão como os três cortes nas taxas de juros que implementaram este ano, mais recentemente na última reunião de outubro, influenciarão a economia nos próximos meses.

Esses cortes foram caracterizados como um mini-impulso preventivo à maior economia do mundo para mitigar os efeitos da desaceleração do crescimento global e de uma guerra comercial contra a China com duração de 17 meses. O Fed esperava compensar os temores de que uma recessão na manufatura e uma queda no investimento empresarial espalhassem mal-estar para a economia em geral.

Até agora, os cortes na taxa de juros parecem estar funcionando. O Departamento do Trabalho dos EUA informou na sexta-feira que o crescimento do emprego teve o melhor ritmo em dez meses em novembro, e dados recentes sobre moradia e pedidos de produtos caros ofereceram uma avaliação bastante otimista da economia.

Espera-se que as autoridades do Fed se aproximem de seu objetivo de uma pausa significativa na indicação de onde o nível dos juros estará até o final do próximo ano, enquanto se esforçam para manter em curso a mais longa expansão econômica dos EUA já registrada.

O Fed, no entanto, tem uma história irregular com suas projeções de taxa de juros para o ano seguinte, tendo cumprido sua previsão mediana apenas três vezes desde que foram introduzidas em 2011.

Este ano está caminhando para se tornar o de maior erro de todos os tempos. Em dezembro passado, o Fed projetou dois aumentos nos juros para 2019, vendo a economia apenas em risco de superaquecimento.

Na reunião de setembro do Fed, última vez que o Fed divulgou as projeções, oito dos 17 formuladores de políticas já estimaram que as taxas de juros estarão no nível de agora ao longo de 2020.

Os operadores estão apostando que o Fed reduzirá a taxa uma vez em 2020, de acordo com contratos futuros compilados pelo CME Group.

As previsões das autoridades do Fed para o crescimento econômico futuro dos Estados Unidos desta vez estarão em foco. Em setembro, suas projeções para o crescimento de 2020 variaram de alta de 1,8% a 2,1%, consistente com o que o Fed vê como a taxa de crescimento potencial da economia.

Mas se o crescimento diminuir abaixo do ritmo da tendência no próximo ano, isso poderá fazer com que os formuladores de políticas flexibilizem novamente.

O principal dos riscos para a previsão que o Fed estabeleceu é a incerteza causada pela caótica política comercial do presidente dos EUA, Donald Trump, por causa do papel de forçar a mão do Fed este ano.

Trump tem repetidamente criticado o Fed este ano por não reduzir os juros tanto quanto ele deseja, a fim de reforçar suas políticas econômicas, dando a impressão de que está pressionando uma instituição que se orgulha de se concentrar apenas nos dados econômicos disponíveis.

Powell reiterou a Trump em uma reunião no mês passado que o banco central definirá a política monetária “com base apenas em análises cuidadosas, objetivas e não políticas”, disse o Fed em comunicado na época.

tagreuters.com2019binary_LYNXMPEFB814G-BASEIMAGE

To Top