Coronavírus faz atrizes pornô passarem álcool em gel nas mãos em frente às câmeras
Últimas Notícias

Coronavírus faz atrizes pornô passarem álcool em gel nas mãos em frente às câmeras

portalmixvaleultimasnoticias1200 (1)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Kid Bengala está em casa. Uma das maiores estrelas pornô do Brasil, ele não tem comparecido às filmagens do “Casa das Brasileirinhas”, reality show que é uma espécie de “Big Brother” erótico da maior produtora do gênero no país, a Brasileirinhas. Com mais de 60 anos, ele pertence ao grupo de risco em tempos de pandemia do novo coronavírus.
“Ele é o nosso Pedro Bial, vamos dizer”, compara Clayton Nunes, dono da produtora, antes de se corrigir. “Quer dizer, é nosso Tiago Leifert. Estou ficando velho.”
Em meio ao surto, a indústria dos filmes adultos vive uma situação contraditória. Enquanto a quarentena tem feito aumentar o acesso a esse tipo de conteúdo na internet, profissionais do setor passaram a adotar medidas para proteger seus artistas da disseminação do vírus e até suspendido filmagens. Já fetiches com limpeza e encenações com itens de proteção têm ficado mais populares, segundo relatos de pessoas que atuam nesse meio.
Numa postagem do site Camera Hot, uma modelo seminua aparece com uma máscara no rosto e a legenda diz “nas nossas salas o sexo é seguro”. A plataforma, que reúne cerca de 800 profissionais que tiram a roupa em frente à webcam por dinheiro, fez uma promoção chamada “Quarentena Hot”. E a receita parece ter dado certo.
Nas três primeiras semanas de março, houve um crescimento de quase 300 mil visitantes se comparado com o mesmo período em fevereiro, informa a empresa. O número de novos usuários já bate recordes, na casa dos mil por dia, um crescimento de quase 30% em relação ao mês anterior. E se os números mudam por causa do vírus, o que acontece dentro das salas, também.
“Voltaram muito à moda as fantasias de enfermeiras”, conta Dayse, 24, de Santa Catarina. A camgirl, que tem conseguido dobrar sua meta e faturar até R$ 450 por dia, também fala em pedidos, por parte dos usuários, pelo uso de máscaras. E, entre o fetiche e a higiene, há ainda homens que pedem às mulheres que lavem as mãos e passem álcool em gel diante das câmeras.
Desde 17 de março, data do início da proibição de aglomerações e da suspensão do comércio não essencial no estado de São Paulo, a Brasileirinhas também bate recordes diários de novos assinantes. A média, de 300 novos membros por dia, pulou para acima dos 600. O site funciona desde 2007 no mesmo esquema da Netflix, em que o consumidor paga e tem acesso a um catálogo de filmes.
Mas a rotina do reality “Casa das Brasileirinhas”, que chegava a juntar oito pessoas para as filmagens, tem sido menos agitada. “Estou com três pessoas [uma atriz, uma funcionária de limpeza e um cinegrafista] naquela casa enorme”, conta Nunes. Todo o resto trabalha de casa e, quando é preciso fazer alguma filmagem, ele diz que o ator faz a cena e vai embora logo em seguida.
É que, em tempos em que um aperto de mão virou uma ameaça de contágio, a troca de fluidos também está em jogo. “Você é seu parceiro sexual mais seguro”, informou o departamento de saúde de Nova York em meio à pandemia. A pasta relembrou que para se masturbar é preciso lavar as mãos com água e sabão -a mesma precaução vale, claro, para os brinquedos sexuais.
Para os que atuam no pornô e estão abaixo da faixa etária considerada de risco, o medo do novo coronavírus parece ser menor do que o de ficar sem essa fonte de renda, afirma Nunes. “O pessoal não quer parar. Os homens, por exemplo, normalmente são seguranças de balada à noite, têm outro trabalho, e de dia fazem pornô, mas agora não sabem se vão receber.”
A atriz Elisa Sanches, 30, do Rio de Janeiro, está sem trabalho há uma semana. Ela teve de cancelar uma viagem para São Paulo, onde faria gravações de um filme, e deixou de se encontrar com clientes. “É um momento de ficar em casa”, diz ela, que não deixa de se preocupar, já que essa era sua única fonte de renda. “Estou usando uma reserva que já tinha guardada e torço para que tudo volte ao normal. Não estava preparada financeiramente.”
Mesmo tendo registrado aumento de público, outras produtoras estão suspendendo as gravações de novos filmes, como o Sexy Hot, canal de TV por assinatura do grupo Playboy. A empresa teve crescimento de 25% de usuários cadastrados e de 31% em visitas neste mês.
O mesmo aconteceu com a Fever Films, produtora de longas pornôs no estilo indie, que suspendeu as operações para resguardar a saúde de atores e colaboradores. E, “para enfrentar o caos”, a empresa paulistana disponibilizou de graça um filme e um pornô amador -em geral, eles são vendidos por valores entre R$ 12,99 e R$ 39,99.
A produtora tem filmes em plataformas como o Porn Hub, que anunciou, nesta semana, a doação de 50 mil máscaras para socorristas que enfrentam o novo coronavírus em Nova York e EUR 50 mil para diferentes organizações da Europa comprarem mais máscaras.
A empresa também liberou o acesso premium gratuito para todos os países até o dia 23 de abril -a iniciativa começou na Itália, na França e na Espanha. Por meio das redes sociais, a empresa informou que tomou a medida para que a população tenha “companhia durante essas semanas em casa”.
Esta companhia é sentida até mesmo pelas profissionais. Dayse, do Camera Hot, conta que enxerga seu trabalho como se fosse uma espécie de terapia. “A gente entra e conversa com as pessoas. Os usuários acabam tirando um pouco o foco dessas notícias ruins.”
Como profetizou um cliente de Karin, a prostituta de luxo que protagoniza a série “O Negócio”, da HBO, “quanto pior fica a realidade, mais as pessoas precisam da fantasia”.

To Top