Governo dos EUA ainda analisa suspensão de voos do Brasil, diz embaixador
América Latina

Governo dos EUA ainda analisa suspensão de voos do Brasil, diz embaixador

portalmixvalegoogle

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) – O governo norte-americano está ainda analisando a suspensão de todos os voos provenientes do Brasil e a possibilidade não foi descartada, mas não há uma decisão, disse nesta terça-feira o novo embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman.

“É sempre alguma coisa que o governo está analisando. O presidente Donald Trump já mencionou muitos países que não têm mais acesso direto, mas o Brasil ainda está aberto. É uma coisa que sempre vai ser analisada”, disse Chapman em uma videoconferência com jornalistas brasileiros.

“É importante para proteger nosso país e importante para o Brasil. Estamos avaliando isso constantemente em conversas com autoridades brasileiras.”

Na semana passada, o próprio presidente dos EUA, Donald Trump, falou da possibilidade de ser necessário suspender a entrada de voos do Brasil por causa do crescimento da epidemia de coronavírus no país, apesar do número de casos no Brasil ser ainda muito menor do que nos EUA.

O Brasil, em um primeiro momento, não fechou os aeroportos para voos vindos dos EUA. Na semana passada, no entanto, proibiu a entrada de norte-americanos no Brasil a menos que sejam residentes permanentes. Segundo Chapman, ainda existem 16 voos semanais entre Brasil e cidades americanas.

Chapman aproveitou ainda para negar os relatos de que os Estados Unidos teriam bloqueado a saída de equipamentos comprados por Estados brasileiros na China e que pararam nos EUA para escalas de abastecimento.

“O governo dos Estados Unidos não comprou nem bloqueou nenhum material destinado ao Brasil, os relatos são falsos, nós investigamos. Isso é uma época em que lamentavelmente muitos estão querendo se aproveitar da situação”, afirmou. “O que sim está passando é que muitos fornecedores estão jogando e isso pode estar ocorrendo no mundo todo.”

Os relatos incluem notícias de que os EUA teriam oferecido duas ou mais vezes o preço acordado com fornecedores chineses para comprar equipamentos de proteção individual, como luvas e máscaras, o que fez com que empresas chinesas rompessem contratos já acordados.

O próprio ministro da Saúde brasileiro, Henrique Mandetta, afirmou que contratos acertados com o governo chinês caíram depois que os EUA enviaram mais de 20 aviões à China para buscar equipamentos.

(Reportagem de Lisandra Paraguassu)

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG361V2-BASEIMAGE

To Top