Aprovação de Doria e Witzel na crise supera a de Jair Bolsonaro
Últimas Notícias

Aprovação de Doria e Witzel na crise supera a de Jair Bolsonaro

portalmixvaleultimasnoticias1200 (1)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Os dois governadores que mais se antagonizaram a Jair Bolsonaro sobre como conduzir a crise do novo coronavírus, João Doria (PSDB-SP) e Wilson Witzel (PSC-RJ), têm sua gestão da pandemia mais bem avaliada do que o presidente em seus estados.
Segundo pesquisa do Datafolha feita de 1º a 3 de abril, os chefes estaduais de São Paulo e do Rio de Janeiro têm, respectivamente, aprovações de 51% e 55% da população.
A margem de erro é de quatro pontos percentuais nessa amostra estendida do levantamento nacional do instituto, e ouviu 528 paulistas e 512 fluminenses.
Bolsonaro, por sua vez, tinha na pesquisa nacional a aprovação de 33% dos entrevistados, com uma margem de erro de três pontos percentuais devido à amostra mais ampla.
Em São Paulo e no Rio, sua aprovação é similar, de 28% e 34%, respectivamente.
O Rio é o berço político de Bolsonaro, que tem residência na capital.
Ele começou lá sua carreira como vereador no fim dos anos 1980, sendo eleito para sucessivos mandatos como deputado federal com apoio de policiais e de estratos intermediários e baixos das Forças Armadas.
Desde o começo da crise, Bolsonaro tem insistido em políticas contrárias às adotadas pela maioria dos governadores, como o isolamento social para limitar a propagação do patógeno no pico da pandemia, desafogando hospitais.
Com entrevistas coletivas diárias, Doria tornou-se o principal antípoda de Bolsonaro na crise, e inclusive pediu aos brasileiros que não seguissem as recomendações do Planalto, que vão contra os protocolos internacionais.
Protagonizou uma discussão áspera em videoconferência há duas semanas, na qual criticou a posição de Bolsonaro e ouviu do presidente que ele era um ingrato.
Já o governador Witzel, por sua vez, usou assertivas duras contra o presidente, criticando seus movimentos sempre que possível e mantendo políticas mais rígidas de distanciamento social.
Ambos os governadores são presidenciáveis, o fluminense de forma já declarada. Coincidentemente, ambos foram eleitos com ajuda do voto bolsonarista e depois se afastaram progressivamente do presidente em 2019.
Após ensaiarem uma rivalidade em episódios como a disputa pela etapa brasileira da Fórmula-1 e dividirem um discurso mais duro na questão da criminalidade, eles enxergaram em Bolsonaro um adversário em comum.
No começo deste ano, ambos os mandatários se aproximaram, com o objetivo comum de reforçar a frente de governadores contrários ao Palácio do Planalto.
Doria, até pelo fato de ser o chefe do estado com maior peso político e econômico, teve protagonismo na organização do grupo. A crise do coronavírus apenas amplificou o movimento.
Algumas costuras eleitorais chegaram a ser feitas, como o lançamento do ex-braço-direito de Bolsonaro Gustavo Bebianno como candidato a prefeito do Rio pelo PSDB -ação que foi interrompida pela morte dele, por infarto.
A rejeição ao trabalho do tucano é de 19%, e 27% dos paulistas o acham regular. No Rio, 17% creem que Witzel faz uma gestão de crise ruim ou péssima, enquanto 25% a avaliam como regular.
Já Bolsonaro tem 43% de reprovação e 25% de regular em São Paulo, enquanto 39% e 25% dos fluminenses acham o mesmo da sua administração, respectivamente.
Em linhas gerais, ambos os estados seguem tendências nacionais sobre o trabalho de Bolsonaro, que é mais mal avaliado do que o do seu ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, cuja pasta tem 76% de aprovação popular.
Há uma inversão de percepção entre Rio e São Paulo na avaliação sobre se o presidente perdeu condições de governar. Para 52% dos paulistas, ele perdeu; entre fluminenses, são 43% os que acham isso.
Em ambos os estados, a ideia de que Bolsonaro mais atrapalha do que ajuda na crise é prevalente. No Rio, 51% acham isso, e em São Paulo, 58%. São dados alinhados com os números nacionais.
A pesquisa foi realizada por telefone, o que lhe tira a precisão de um levantamento presencial, devido à pandemia do coronavírus, para evitar contato entre entrevistadores e entrevistados.

To Top