Governo registra aumento nos pedidos de Seguro Desemprego
Benefícios

Governo registra aumento nos pedidos de Seguro Desemprego

Rede varejista carteira de trabalho reforma da previdência

Governo registra aumento nos pedidos de Seguro Desemprego. Dados divulgados pelo Ministério da Economia nesta terça-feira mostram que os pedidos de seguro-desemprego no país aumentaram 11,1% em março em relação a fevereiro e tiveram novo salto de 13,8% na primeira quinzena de abril sobre o mesmo período de março, em meio às dificuldades econômicas criadas pela pandemia do Covid-19.

O aumento da demanda pelo seguro é na prática maior porque, diante do fechamento dos postos de atendimento presencial aos desempregados por causa das medidas de isolamento social, o governo estima que houve um represamento de até 200 mil pedidos no período.

Recursos extras para auxílio emergencial podem ser liberados(Abre numa nova aba do navegador)

Ainda assim, o secretário especial de Previdência e Emprego, Bruno Bianco, destacou em entrevista coletiva que, no acumulado do ano, os números por ora mostram queda dos pedidos de seguro frente a 2019, de 7,4% até a primeira quinzena de abril, totalizando 1,856 milhão. Em março, foram apresentados 536,8 mil pedidos de seguro-desemprego e, na primeira quinzena de abril, 267,7 mil.

“Estamos conseguindo fazer com os que os empregos sejam preservados”, afirmou Bianco, ponderando que o crescimento da demanda pelo auxílio-desemprego não seria elevado considerando a dimensão da crise econômica gerada pelo coronavírus em todo o mundo.

Considerando na conta também os pedidos de seguro-desemprego represados, contudo, a estimativa do governo é que os requerimentos ficarão cerca de 150 mil acima de 2019 no período de março e primeira quinzena de abril. Até o momento, os dados mostram uma retração de 62,2 mil pedidos no período.

Quais as possibilidades para sacar o saldo do FGTS?(Abre numa nova aba do navegador)

“É claro que é um momento difícil, a economia toda do Brasil vai sofrer, é natural que haja uma perda ainda considerável de empregos nos próximos meses”, disse o secretário de Trabalho, Bruno Dalcolmo, acrescentando que iniciativas tomadas pelo governo estão oferecendo um “colchão de amortecimento” à população em dificuldades.

Segundo Dalcolmo, mais de 4 milhões de trabalhadores já solicitaram o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEM), a ser pago pelo governo como complementação parcial da renda a empregados formais no caso de redução de salário e jornada de trabalho ou de suspensão de contratos trabalhistas.

O secretário afirmou que a estimativa é que, com o BEM, a perda média de renda dos trabalhadores que aderiram ao programa será de cerca de 15%.

“A expectativa é que haja uma perda aí em torno de 15%, mas lembrando, esses trabalhadores não estarão trabalhando ou estarão com sua jornada reduzida”, disse.

Sobre os dados do Caged, que poderão indicar com mais clareza o impacto da crise da pandemia sobre o emprego formal no país, Dalcolmo disse que o governo está mobilizado para sanar os problemas que levaram à suspensão da divulgação dos números do cadastro este ano.

Segundo o Ministério da Economia, as empresas têm enfrentado dificuldades no repasse dos dados, na esteira de simplificação promovida pelo governo para que o envio de informações trabalhistas fosse concentrado em um único canal e o cenário de pandemia do coronavírus tem dificultado a autorregularização.

Aposentadoria do INSS: Simulador para já está disponível aos segurados(Abre numa nova aba do navegador)

“Como sabemos que há milhares de empresas que não estão reportando seus dados…não é razoável que se faça essa divulgação agora”, afirmou Dalcolmo, acrescentando que os números voltarão a ser reportados assim que se mostrarem fidedignos.

Segundo o secretário, o ministério também está empenhado em desafogar o atendimento remoto aos solicitantes do seguro-desemprego, por telefone e email, e espera reduzir o quanto antes o represamento dos pedidos.

Em fevereiro e março, os trabalhadores do setor de serviços lideraram os pedidos de seguro-desmperego, com quase 40%, em linha com tendência histórica, segundo apontou Dalcolmo. São Paulo e Minas Gerais foram os Estados com o maior número de requerimentos.

(Por Isabel Versiani)

tagreuters.com2020binary_LYNXNPEG3R1WK-BASEIMAGE
To Top