Posso ser contaminado duas vezes pela covid-19?
Benefícios

Posso ser contaminado duas vezes pela covid-19?

Posso ser contaminado duas vezes pela covid-19? Cientistas de Hong Kong anunciaram, a primeira confirmação de um caso de reinfecção pela Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2). A pesquisa com a descoberta foi validada e publicada no “Clinical Infectious Diseases”, da editora da Universidade de Oxford, no Reino Unido.

Hong Kong identifica 1º caso de reinfecção por Covid-19; OMS pede cautela com conclusões

O paciente, um homem de 33 anos, se infectou com o vírus pela segunda vez depois de viajar à Espanha. Na primeira vez, teve apenas sintomas leves. Na segunda, não apresentou sintomas.

Nesta reportagem, você vai entender, em perguntas e respostas, o que se sabe sobre o caso, o que ele significa e quais são as implicações para uma vacina:

  1. Esse é o primeiro caso confirmado de reinfecção?
  2. Por que é difícil confirmar casos suspeitos de mais de uma infecção?
  3. Qual a importância da confirmação?
  4. Vamos chegar à imunidade de rebanho?
  5. Todo mundo que já teve Covid vai ter de novo?
  6. Ter anticorpos garante imunidade?
  7. A vacina vai funcionar?

1. Esse é o primeiro caso confirmado de reinfecção?

Até onde se sabe, sim. A reinfecção pode ser difícil de confirmar, mas, desta vez, os pesquisadores afirmam ter certeza porque o vírus que infectou o paciente é diferente do primeiro. Eles descobriram isso com um sequenciamento genético do vírus, que permitiu determinar que a origem do segundo vírus era diferente do da primeira infecção.

“Nossos resultados provam que a segunda infecção é causada por um novo vírus, que ele adquiriu recentemente, em vez de uma disseminação viral prolongada”, afirmou Kelvin Kai-Wang To, microbiologista clínico da Universidade de Hong Kong.

Segundo os cientistas de Hong Kong, a segunda “versão” do vírus é mais próxima à que circulou na Europa entre julho e agosto (o paciente havia voltado de uma viagem à Espanha). Já o primeiro vírus era semelhante aos que circularam em março e abril.

2. Por que é difícil confirmar casos suspeitos de mais de uma infecção?

Uma das dificuldades em descobrir se a pessoa pegou mesmo o coronavírus de novo é saber se o vírus que aparece na segunda vez é o mesmo da primeira. Ele pode ser o mesmo e só estar aparecendo de novo nos testes, mesmo que tenha eventuais mutações.

Isso porque a pessoa pode ficar com o vírus no corpo, escondido e mudando, mesmo depois que o rastro dele não aparece mais nos exames, explica a cientista Ester Sabino, da Faculdade de Medicina da USP, que fez parte da equipe que sequenciou o genoma do coronavírus no Brasil.

“Passou 6 meses, mesmo se ele estiver dentro da pessoa, ele pode adquirir outras mutações”, explica Sabino.

Por isso, o ideal é fazer o sequenciamento genético, como os cientistas de Hong Kong fizeram. Com ele, é possível montar o que se chama de árvore filogenética, que detalha as relações entre várias espécies e as mutações que elas sofreram (veja mais abaixo).

“Sem sequenciar a primeira [infecção] e a outra, não dá para provar”, diz a pesquisadora da USP.

“Quando você faz a sequência e coloca numa árvore, se fosse [o mesmo vírus], ia ter a sequência, com a mutação, diferente do primeiro vírus, mas os dois iam estar no mesmo grupo da árvore. E não é o que aconteceu. Então você sabe que o outro vírus não é o que estava nele antes”, explica Ester Sabino.

Na pesquisa, os cientistas afirmam ter encontrado 24 partes do vírus da segunda infecção que são diferentes do primeiro. Mas Sabino explica que é a origem filogenética, e não as mutações em si, o mais importante.

“Poderia ter adquirido 24 mutações, mas, quando você faz essa análise da árvore, eles ficariam juntos assim mesmo. E não é o caso. Então é claro que é reinfecção. Claramente, a origem da primeira amostra é diferente da segunda”, acrescenta a cientista.

Neste caso, diz Sabino, a diferença é clara. Se fosse um caso de um paciente que esteve o tempo todo no Brasil, por exemplo, poderia ficar mais difícil determinar se houve uma nova infecção ou se o que há é o mesmo vírus, mas com pequenas mudanças.

“É muito mais difícil provar quando se está numa mesma região, porque os vírus são muito parecidos e é muito mais difícil dizer se a amostra mutou dentro do indivíduo ou fora dele. É muito mais complexo provar a infecção no Brasil porque as cepas são todas parecidas entre si. É muito mais fácil num caso como esse de Hong Kong, que a pessoa viajou e pegou em outro lugar”, explica.

No sequenciamento que a equipe dela fez em junho, por exemplo, foram encontrados mais de 400 códigos genéticos do coronavírus no Brasil, com 3 cepas (“versões”) principais que ganharam espaço e passaram a circular pelo país.

No início de agosto, a USP também apontou um caso de reinfecção de uma paciente em Ribeirão Preto.

Quem são as brasileiras que sequenciaram o genoma do novo coronavírus

3. Qual a importância da confirmação?

Na avaliação dos cientistas, isso quer dizer que, possivelmente, o coronavírus passará a circular entre os humanos de forma permanente, como os resfriados – porque mesmo quem já teve pode se infectar de novo.

“A Covid-19 provavelmente vai continuar a circular na população humana, como é o caso de outros coronavírus humanos. A reinfecção é comum para outros coronavírus ‘sazonais'”, dizem pesquisadores de Hong Kong.

Em maio, a Organização Mundial de Saúde (OMS) já havia levantado a possibilidade de que o coronavírus se tornasse endêmico (ou seja, passasse a ser encontrado regularmente em uma determinada área ou população), como o HIV, sem nunca desaparecer.

“Isso tem consequência, porque você mantém o vírus circulando por muito tempo. Endemia é isso. É um problema”, avalia Ester Sabino.

4. Vamos chegar à imunidade de rebanho?

‘Imunidade de rebanho’: o que é e quais os riscos de deixar a pandemia correr seu curso

Para os cientistas de Hong Kong, é possível que nunca cheguemos à chamada “imunidade de rebanho”.

O conceito normalmente é aplicado quando se fala nas taxas de vacinação necessárias para que uma determinada doença pare de circular em uma população, mesmo que nem todos estejam vacinados (no caso do sarampo, por exemplo, essa taxa é de 95%).

“Em primeiro lugar, é improvável que a imunidade de rebanho possa eliminar o Sars-CoV-2, embora seja possível que as infecções subsequentes possam ser mais leves do que a primeira infecção, como neste paciente”, afirmam os pesquisadores no estudo.

5. Todo mundo que já teve Covid vai ter de novo?

Não necessariamente – a ciência ainda não sabe responder a essa pergunta. Ester Sabino lembra que o caso do paciente de Hong Kong pode ser raro, ocorrendo uma vez a cada centenas de milhares de pessoas.

“O fato em si é importante. Define a possibilidade de reinfecção. O primeiro passo é definir que acontece. O segundo é determinar quão frequente é isso”, lembra.

“Pode ser que esse indivíduo tenha perdido [os anticorpos] rapidinho. Mas, se a maioria perder com um ano, talvez a cada ano você tenha que receber de novo, junto com a influenza, uma dose dessa vacina”, diz.

OMS: não se pode tirar conclusões precipitadas sobre reinfecção

A OMS também ponderou que o caso é, até agora, o único confirmado em mais de 24 milhões de infecções registradas pelo mundo.

6. Ter anticorpos garante imunidade?

Ainda não se sabe ao certo. Depois de um tempo, os anticorpos tendem a sumir, mas existe um outro tipo de resposta imune, das células T, que também ajuda no combate ao coronavírus.

Há estudos que apontam que essa resposta, a chamada resposta imune celular, dura mais tempo que a dos anticorpos (a resposta imune humoral). Além disso, esse tipo de célula já foi encontrado mesmo em pessoas que não tiveram os anticorpos detectados.

No caso do paciente de Hong Kong, apesar de ele ter tido a primeira infecção pelo coronavírus, não foram detectados anticorpos assim que ele foi infectado pela segunda vez – eles só apareceram depois de cinco dias. Isso pode indicar, segundo os cientistas, duas possibilidades:

  1. que ele não desenvolveu os anticorpos depois da primeira infecção;
  2. que ele desenvolveu os anticorpos depois da primeira infecção, mas eles foram “sumindo”, e, quando ele foi infectado pela segunda vez, não era mais possível detectá-los.

Para os cientistas, essa falta de respostas nos anticorpos pode ter consequências tanto para tornar possível que as pessoas tenham o coronavírus mais de uma vez quanto na gravidade da doença.

“Apesar de nosso paciente ser assintomático na segunda infecção, é possível que a reinfecção em outros pacientes resulte em uma infecção mais severa”, alertam.

Mas eles destacam que é possível que o paciente tenha desenvolvido os anticorpos depois da primeira vez que ficou doente – isso pode apenas não ter sido detectado pelos testes.

Ao mesmo tempo, os pesquisadores lembram, também, que a resposta imune das células T pode ter um papel em melhorar a severidade da doença na segunda infecção. (Os cientistas de Hong Kong não falaram sobre essa resposta no paciente reinfectado).

7. A vacina vai funcionar?

Vacina contra Covid — Foto: REUTERS/Dado Ruvic/Illustration/File Photohttps://37bd79facd29923156ea4f8226dc6bfd.safeframe.googlesyndication.com/safeframe/1-0-37/html/container.html

Ninguém sabe. A grande dúvida, explica Ester Sabino, é por quanto tempo a resposta imune induzida pela vacina vai garantir proteção

Para uma futura vacina, diz Sabino, as mutações não são o problema, porque, além de serem poucas, no caso do coronavírus, as mutações que ele sofre não mudam a forma com que é reconhecido pelo sistema imune. A questão é se o corpo é capaz de manter esse reconhecimento a longo prazo. E isso importa porque, ao receber uma vacina, o corpo é induzido a produzir anticorpos para uma determinada doença.

“Para a vacina, o problema é esse. A pessoa teve a infecção e perdeu o anticorpo. Será que vai acontecer a mesma coisa com a vacina? Vai durar quanto tempo a vacina? O problema é a proteção, não é a mutação”, explica.

Para esclarecer a diferença, Sabino compara o Sars-CoV-2 ao HIV – que é um vírus que tem muitas mutações, e, por isso, é difícil encontrar uma vacina que funcione contra ele. Diferente do coronavírus, o HIV “muda” tanto que o sistema imune passa a não ser mais capaz de reconhecê-lo, e, por isso, tem dificuldade em combatê-lo.

Na pesquisa de Hong Kong, os cientistas dizem que uma vacina para a Covid-19 não deve ser capaz de fornecer proteção para a vida inteira. Além disso, recomendam que mesmo pacientes que já tiveram a doença devem ser imunizados. Fonte G1

To Top