Antes da pandemia, Brasil registrou aumento de pessoas com doenças crônicas
Últimas Notícias

Antes da pandemia, Brasil registrou aumento de pessoas com doenças crônicas

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) Ainda antes da chegada da pandemia da Covid-19, que até o momento já matou mais de 166 mil pessoas no país, o Brasil já registrava alta na quantidade de pessoas com doenças crônicas, que agora podem ser consideradas fatores de risco para o novo coronavírus.

Segundo dados divulgados nesta quinta (18) pela Pesquisa Nacional de Saúde 2019 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mais da metade (52%) da população adulta era acometida por pelo menos uma doença crônica em 2019, entre diabetes, asma, pressão alta e outras.

Todas elas tiveram crescimento percentual desde 2013, data do último estudo semelhante feito pelo instituto.

A enfermidade que mais afetava brasileiros no ano passado era a hipertensão arterial, atingindo 23,9% da população adulta, ou 38,1 milhões de pessoas. O número representa um aumento na comparação com os 21,4% de seis anos antes.

Já 7,7% da população acima de 18 anos tinha diabetes, ou 12,3 milhões de brasileiros, mais do que os 6,2% de 2013. Ainda cresceu o número de pessoas com asma, indo de 4,4% para 5,3% (8,4 milhões), e com doença do coração, subindo de 4,1% para 5,3% (8,4 milhões).

Os brasileiros com câncer também aumentaram, de 1,8% para 2,6% (4,1 milhões). Já o número de pessoas com colesterol alto foi de 12,5% em 2013 para 14,6% (23,2 milhões) em 2019.

Todas essas enfermidades podem ser consideradas fatores de risco para a Covid-19. E, atualmente, o Brasil é um dos países mais afetados pelo novo coronavírus, somando até o momento 166.067 óbitos e 5.876.740 pessoas infectadas desde o início da pandemia.

Recentemente, após um período de queda nos casos e óbitos, a Covid-19 vem dando sinais de que pode voltar a crescer no país. No litoral e interior de São Paulo, por exemplo, houve registro de aumento expressivo no total de internados.

Outra doença crônica considerada pelo estudo do IBGE foi depressão, subindo de 7,6% para 10,2% (16,3 milhões de pessoas) de 2013 a 2019. A pesquisa ainda apontou mais 21,6% dos brasileiros com problema crônico de coluna, 7,6% que estavam com artrite, 6,5% com outra doença mental e 2% que tiveram AVC.

Em outubro, o IBGE já havia divulgado que o Brasil encerrou o ano de 2019 com mais de um quarto de sua população adulta na obesidade, outro fator de risco para a Covid. No total, 41,2 milhões de brasileiros, ou 25,9% das pessoas acima de 18 anos, eram considerados obesos.

A condição atingia 29,5% das mulheres (25 milhões) e 21,8% dos homens (16,2 milhões) adultos do país.

Os números também apontaram um crescimento desde o último levantamento, feito em 2013, quando a pesquisa apontava obesidade em 25,7% das mulheres e em 17,9% dos homens acima de 20 anos. Na mesma base de comparação, a edição 2019 do estudo mostrou 30,2% de obesas e 22,8% de obesos.

Segundo estudo publicado no mês passado pelo prestigiado periódico científico inglês The Lancet, em todo o mundo, doenças como obesidade e hipertensão estão diretamente relacionados à diminuição da expectativa de vida. Juntos, criaram uma tempestade perfeita que agora agrava as mortes por Covid-19.

No estudo, desenvolvido pelo Instituto de Métricas e Avaliação da Saúde (IHME, na sigla em inglês), da Universidade de Washington, os pesquisadores avaliaram 286 causas de morte, 369 doenças e lesões e 87 fatores de risco em 204 países e territórios em todo o mundo.

Os dados mostram como o mundo, em especial os sistemas de saúde pública, não estavam preparados para uma pandemia e, pior, como fatores de risco tratáveis e evitáveis, como obesidade e hipertensão, não têm recebido a devida atenção dos programas de saúde globais.

To Top