Grupo suspeito de fraudar auxílio emergencial é investigado pela PF
Auxílio Emergencial

Grupo suspeito de fraudar auxílio emergencial é investigado pela PF

carteira trabalho e celular

Grupo suspeito de fraudar auxílio emergencial é investigado pela PF. A Polícia Federal (PF) cumpre nesta quarta-feira (dia 18) 14 mandados de busca e apreensão contra suspeitos de desviar e fraudar os pagamentos do auxílio emergencial, benefício criado pelo governo federal para dar uma renda mínima às famílias em meio à pandemia da Covid-19. A operação foi batizada de Resiliência.

Segundo a PF, as investigações identificaram que os suspeitos recebiam o auxílio fraudado em nome próprio e viabilizavam a fraude em nome de terceiros, recebendo um percentual do repasse às demais pessoas. Não foram divulgados detalhes sobre como era feita essa fraude.

Auxílio emergencial
SANTOS, SP, 22.06.2020 – AUXÍLIO-EMERGENCIAL – A Caixa segue nesta semana com o pagamento da terceira parcela do auxílio emergencial para os beneficiários do Bolsa Família. As datas para o pagamento da terceira parcela para o demais aprovados devem ser definidas nesta semana. A Controladoria-Geral da União e o Ministério da Cidadania disponibilizaram a relação completa dos beneficiários, com filtros por estados, municípios e os valores recebidos. (Foto: Guilherme Dionizio/Folhapress)

O grupo também é suspeito de envolvimento em crimes como fraudes ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), benefícios do Insituto Nacional do Seguro Social (INSS) e tráfico de drogas. Todos os mandados são cumpridos no Distrito Federal, nas regiões administrativas do Paranoá e de Itapoã.

Durante o cumprimento das buscas, cinco pessoas foram presas em flagrante, duas pelo crime de tráfico ilícito de entorpecentes e três por posse ilegal de arma de fogo. Cerca de 80 policiais estão envolvidos na operação.

De acordo com a PF, as investigações tiveram início após a identificação de criminosos que recebiam o auxílio, criado com o objetivo de assegurar uma renda mínima para a população durante a pandemia do novo coronavírus, de forma fraudada.

To Top