Lei de ensino da história africana faz 18 anos com desafios para sair do papel
Últimas Notícias

Lei de ensino da história africana faz 18 anos com desafios para sair do papel

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Próxima da maioridade, a legislação que estabelece o ensino da história e cultura africana e afro-brasileira nas escolas do país ainda enfrenta desafios para sua aplicação.

A lei federal 10.639, de janeiro de 2003, serviu de base para o desenvolvimento de políticas voltadas à temática racial a partir da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de 2004, e também foi um pontapé para a consolidação do Dia Nacional da Consciência Negra, em 20 de novembro, dia da morte do líder quilombola Zumbi dos Palmares.

A lei abriu portas para a formação de professores e a aquisição de materiais didáticos sobre a história da África e dos brasileiros afrodescendentes, diz a professora Macaé Evaristo, ex-secretária de Educação de Minas Gerais.

Além disso, possibilitou a criação da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi), pasta do Ministério da Educação (MEC) –da qual Evaristo foi titular entre 2013 e 2014.

“A grande inovação do Ministério da Educação foi a criação da Secadi, em 2004, que tinha como foco a redução das desigualdades educacionais, ou seja, a construção de políticas voltadas à população negra, que ficou de fora do direito à educação praticamente todo o século 20”, conta.

Entre os desafios que a legislação enfrenta para ser aplicada no país, Evaristo cita o desmantelamento no setor educacional do país. A Secadi, por exemplo, foi extinta no início do mandato de Jair Bolsonaro, por meio do decreto 9.465, de 2 de janeiro de 2019.

“A lei tem menos de 20 anos e estamos vivendo no campo educacional um grande retrocesso. Temos visto uma série de cortes na educação e um total desrespeito às prioridades e metas estabelecidas no plano nacional de educação. Não é diferente com a proposta de implementação do ensino de história da África nos currículos escolares”, afirma.

Os governos estaduais e municipais podem implementar o ensino da história e da cultura africana e afro-brasileira nos currículos escolares a partir da Lei de Diretrizes e Bases da Educação, que em escala nacional define e regulariza a organização da educação com base nos princípios presentes na Constituição Federal.

O professor Otair Fernandes, pesquisador do Laboratório de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), destaca que desde a criação da lei há resistência de parte dos gestores de escolas.

“Já enfrentávamos obstáculos de gestores de escolas estaduais e municipais, mas, em alguns municípios, dependendo do governo, vínhamos avançando. Nós dependemos, na realidade, dos movimentos negros e de quem ocupa os cargos públicos, por isso o Ministério Público tem feito um trabalho convergente com a implementação da lei. Precisamos agora ter ações no Judiciário contra quem não cumpre a legislação”, analisa.

Vereadora eleita pelo PT em Belo Horizonte, Macaé Evaristo diz que, com o aumento de vereadores negros nas Câmaras Municipais a partir de 2021, a mobilização para a inclusão do ensino da história da África será intensificada.

O texto do Plano Nacional de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações Étnico-Raciais aborda questões como a necessidade de políticas de reparação, a desconstrução do mito da democracia racial e a desmistificação de afirmações como a de que negros se discriminam entre si –pautas levantadas pelo movimento negro há décadas.

“Lá no início do século 20, a população negra era proibida de frequentar a escola. É bom a gente lembrar que a Frente Negra Brasileira [movimento criado em 1931] tinha um setor específico para educação e cultura, justamente por compreendê-las como fundamentais para a emancipação da população negra”, afirma Macaé Evaristo.

Galeria Estátuas paulistas exaltam heróis e escondem racismo Figuras homenageadas foram responsáveis pela morte e escravidão de indígenas e negros https://fotografia.folha.uol.com.br/galerias/1669330633505306-estatuas-homenageiam-historia-colonial-e-bandeirante-em-sao-paulo *** “É fundamental entendermos o ensino da história da África também dentro desse conjunto de lutas para desmontar o racismo que temos no Brasil. A sociedade brasileira se constituiu a partir de um racismo que excluiu as pessoas negras da educação. Carolina Maria de Jesus conta em um de seus livros que nas fazendas não existiam escolas, o que havia eram enxadas em abundância”, pondera.

Autora do livro “Descolonizando a Lei 10.639/2003 no Ensino de Ciências” ao lado de Katemari Rosa, a professora Bárbara Carine Soares defende a importância de descolonizar a história afro-brasileira na educação básica. Soares também está à frente da Escolinha Maria Felipa, localizada no centro de Salvador (BA), focada na construção decolonial da educação infantil.

Com base em sua experiência na sala de aula, a professora explica que o ensino da história africana e dos afro-brasileiros em uma perspectiva que não seja eurocentrista é uma reconstrução subjetiva potente para as crianças. “As pessoas que têm uma leitura de que descendem de escravos aceitam qualquer desgraça que a sociedade possibilita. Se eu vejo que descendo de reis, cientistas, matemáticos, eu me preto no mundo de outra forma. A descolonização é essencial para sabermos quem somos”, afirma Soares.

To Top