Bolsas da Europa fecham sem direção única, pressionadas por volatilidade em NY
Economia

Bolsas da Europa fecham sem direção única, pressionadas por volatilidade em NY

As bolsas da Europa fecharam sem direção única nesta quarta-feira, depois de terem oscilado durante o pregão e com certa correção dos ganhos da terça-feira. Os índices acionários do Velho Continente foram pressionados pela volatilidade do mercado de ações em Nova York. Os investidores também avaliaram a divulgação de índices de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) de países da região.

Com isso, o índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou a sessão com perda de 0,22%, aos 434,32 pontos.

O FTSE 100, de Londres, foi um dos únicos índices a avançar nesta quarta-feira, com ganho de 0,91%, a 6.885,32 pontos. A alta ocorreu apesar de a Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) ter confirmado uma possível associação entre a vacina contra covid-19 da AstraZeneca e casos raros de coágulos sanguíneos. No entanto, empresas exportadoras do Reino Unido foram beneficiadas pela desvalorização da libra em relação ao dólar.

No noticiário corporativo, a Royal Dutch Shell estimou que o rigoroso inverno no Estado norte-americano do Texas deverá ter efeito negativo de US$ 200 milhões em seu lucro ajustado do primeiro trimestre. Apesar do alerta e da queda nos preços do petróleo, a ação da companhia subiu 1,39% no mercado inglês.

Em Lisboa, o PSI 20 também registrou alta, de 0,23%, a 5.025,41 pontos.

Na bolsa de Frankfurt, o DAX caiu 0,24%, a 15.176,36 pontos, puxadas por um recuo de 2,23% nos papeis da Volkswagen.

Já o índice CAC 40, de Paris, recuou 0,01%, a 6.130,66 pontos. Na bolsa francesa, as ações da ArcelorMittal recuaram 1,43%.

O Ibex 35, índice de referências da bolsa de Madri, fechou em baixa de 0,43%, a 8.597,40 pontos.

Em Milão, o FTSE MIB terminou com perdas de 0,08%, a 24.740,73 pontos.

Dentre os indicadores divulgados nesta quarta-feira, o PMI composto da zona do euro subiu de 48,8 em fevereiro para 53,2 em março, superando expectativas e alcançando o maior nível desde julho de 2020. A leitura acima dos 50 pontos indica retomada da expansão nos setores industrial e de serviços.

Na Alemanha, os PMIs também ficaram acima das leituras prévias em março. Já no Reino Unido, os dados finais vieram abaixo das estimativas preliminares, mas também mostraram progresso.

Os investidores acompanham ainda a reunião de primavera do Fundo Monetário Internacional (FMI) e aguardam a divulgação da ata da mais recente reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano)

To Top