Setores continuam gerando empregos na pandemia do coronavírus
Benefícios

Setores continuam gerando empregos na pandemia do coronavírus

carteira trabalho

Setores continuam gerando empregos na pandemia do coronavírus Setores da economia como o e-commerce, TI, construção civil e saúde hospitalar registraram aumento nas contratações desde o início da pandemia. Este crescimento ocorreu num período em que a maioria das empresas teve de demitir em vez de contratar. Segundo a PNAD (Pesquisas Nacional por Amostra de Domicílios), do IBGE, o Brasil registrou recorde de desemprego em 2020, com 13,4 milhões de desempregados – taxa média de 13,5%.

Na contramão da crise econômica e sanitária, por exemplo, o empresário Ricardo Zanlorenzi viu seu empreendimento crescer. Além de fechar 2020 em alta, o negócio iniciou 2021 com 17 contratações e expectativa de incluir mais dez funcionários na folha de pagamento até o fim deste ano. O atual cenário é fruto de uma recuperação inesperada: entre março e julho de 2020, Zanlorenzi teve contratos de serviços renegociados e cancelados, derrubando o faturamento em 30% no pior momento.

Zanlorenzi teve a “sorte” de que a empresa que ajudou a fundar, a Nexcore, atua na área de tecnologia, com serviços de customização no atendimento ao cliente – nicho que cresceu no contexto da pandemia. “Tivemos um desempenho que não estava dentro do planejado para 2020. Fizemos, então, uma releitura do cenário, ajustamos as projeções para 2021 e esperamos crescer 35% em relação ao ano passado”, diz Zanlorenzi, CEO da Nexcore. O setor teve crescimento em meio à crise sanitária justamente pelas mudanças de hábitos exigidas pelo contexto: mais compras online e mais demanda tecnológica para esse setor.

“As empresas precisaram se adaptar para sobreviver à pandemia, então houve um processo de digitalização”, explica José Tortato, gerente de negócios do Banco Nacional de Empregos. “O setor de TI teve alta de contratações de 20% no primeiro trimestre de 2021, em comparação ao mesmo período do ano anterior”, completa. As vagas mais ofertadas foram: desenvolvedor java, técnico de informática, analista de sistema, analista de suporte e desenvolvedor front-end.

Trabalho remoto aquecendo a economia

Para ilustrar o tamanho da onda que a Nexcore e outras empresas ligadas ao comércio online surfaram em 2020, o comércio virtual cresceu 75% no ano passado, de acordo com dados da MasterCard. Um efeito imediato dessa expansão é o aumento nos quadros de funcionários das lojas para atender a clientela crescente e das empresas de entrega para distribuir os produtos.

Nesse dominó da economia, o setor de logística também fugiu das estatísticas negativas da pandemia. “As pessoas começaram a consumir mais de casa, isso aqueceu o e-commerce, que puxou outros setores, como o delivery, e outros que fazem o abastecimento de toda a cadeia de suprimento das empresas”, justifica Tortato. As vagas de emprego aumentaram 31% na comparação entre os primeiros trimestres de 2020 e 2021, com maior demanda para as funções de motorista (de delivery e veículos leves), estoquista, operador de empilhadeira, entregador e motorista de caminhão.

Outro setor que se beneficiou com mais gente trabalhando em casa foi o da construção civil. “Muita gente descobriu que a casa não estava tão preparada assim para o home office, e buscou reformar os ambientes internos”, diz Tortato. “Isso gerou uma maior demanda de pedreiros, técnicos em segurança do trabalho, serventes de obra, pintores e inspetores de qualidade”, complementa.

Outro ponto importante para o aquecimento das ofertas de trabalho na construção civil é que as taxas de juros caíram – a Selic chegou ao índice recorde de 2%. E isso levantou os financiamentos imobiliários. Com tanta demanda, o setor de construção civil contratou 47% a mais no primeiro trimestre de 2021, do que no mesmo período de 2020.

Saúde em alta

Com centenas de milhares de vítimas da covid-19 e infectados na casa das dezenas de milhões, a crise sanitária exigiu a construção de novos hospitais e a contratação de mais profissionais para lidar com a alta procura por atendimentos e internações. Houve uma alta de 17% em contratações nos primeiros meses deste ano, em comparação ao mesmo período do ano passado. Principalmente em busca de técnicos de enfermagem, enfermeiros, nutricionistas, psicólogos e fisioterapeutas.

Só em um novo hospital, com pouco mais de 200 leitos, construído dentro da Universidade Nove de Julho (Uninove) em São Paulo, 800 funcionários foram contratados. E esse é só um dos 10 hospitais construídos pela prefeitura paulistana desde o começo da pandemia.

“Para cada novo hospital, precisamos de 200 a 300 médicos, além de todo o corpo de enfermagem e de outros profissionais, como fonoaudiólogos, psicólogos”, explica Nacime Salomão Mansur, superintendente da SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina), entidade filantrópica que atua na prestação e gestão de serviços de saúde em todo o Brasil.

Segundo dados divulgados pelo jornal Valor Econômico, entre março e junho de 2020, a SPDM aparecia na quarta posição entre as empresas que mais contrataram – com um saldo positivo de 4,2 mil vagas entre admissões e demissões. “Fomos chamados para vários projetos [o da Uninove foi um deles], para aumentar o número de leitos, enfermarias e UTIs. E, nesses processos, contratamos muita gente”, relata Mansur.

Muita gente mesmo. Entre 2020 e 2021, SPDM aumentou suas contratações em 20%. E, infelizmente, como a pandemia ainda não perdeu força no Brasil, a expectativa é que o setor siga aquecido, com mais vagas disponíveis.

O Prêmio Lugares Incríveis Para Trabalhar é uma iniciativa do UOL e da FIA para reconhecer as empresas que têm as melhores práticas em gestão de pessoas. Os vencedores são definidos a partir da pesquisa FIA Employee Experience (FEEx), que mede a qualidade do ambiente de trabalho, a solidez da cultura organizacional, o estilo de atuação da liderança e a satisfação com os serviços de RH. As inscrições para a edição 2021 estão abertas e vão até 15 de junho. Fonte: Economia Uol

To Top