Chegada de Ciro fortalece governo Bolsonaro politicamente, mas não resolve tudo
Brasil

Chegada de Ciro fortalece governo Bolsonaro politicamente, mas não resolve tudo

Chegada de Ciro fortalece governo Bolsonaro politicamente, mas não resolve tudo

A chegada do presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI), ao comando da Casa Civil deve fortalecer a relação do governo principalmente com o Senado –em meio a uma CPI da Covid e uma importante agenda de votações para o segundo semestre–, mas está longe de, por si só, resolver os desafios da gestão Jair Bolsonaro, afirmaram parlamentares à Reuters nesta terça-feira.

Expoente do chamado centrão, grupo de partidos rechaçado por Bolsonaro durante a campanha e que ele abraçou recentemente em meio às crescentes dificuldades políticas, Ciro Nogueira é o quarto ministro da Casa Civil do atual governo e terá como missão, nas palavras do próprio presidente, melhorar a relação com o Congresso.

A aposta de aliados é que o novo ministro poderá ajudar na moderação do discurso do presidente, inclusive criando pontes com outros partidos de centro e até com a oposição.

Ex-presidente do PP, o senador Espiridião Amin (SC) disse que o correligionário, no novo cargo, poderá distensionar a relação entre os diferentes pelo diálogo que ele tem com políticos das mais diversas correntes políticas. Até há pouco tempo, Ciro era aliado do PT e entusiasta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, maior adversário de Bolsonaro.

“O Ciro tem condições de entregar ou facilitar a entrega desse processo que se chama governabilidade”, afirmou Amin, ao fazer uma ressalva: “partindo do princípio que o presidente diga com clareza o que quer”.

Espiridião Amin avaliou que “não está nada resolvido” agora e que há desafios a serem superados no Senado a partir da próxima semana, com o fim do recesso parlamentar.

Entre os desafios pela frente estão a aprovação da recondução de Augusto Aras para a Procuradoria-Geral da República, vista como mais tranquila, e também a aprovação da indicação de André Mendonça para o Supremo Tribunal Federal (STF), mais complicada.

“Cada dia a sua agonia”, ponderou Amin.

Para o líder do bloco Vanguarda do Senado, Wellington Fagundes (PL-MT), Ciro Nogueira é um político muito experiente e terá a possibilidade de compor “muito bem” com a ministra da Secretaria de Governo, a deputada licenciada Flávia Arruda (PL-DF), dividindo tarefas na relação com o Congresso.

O senador do PL descartou a possibilidade –que tem sido aventada nos bastidores– de Ciro acumular toda a articulação política.

Fagundes, que lidera um bloco de 11 senadores do PL, PSC e DEM, a escolha do presidente do PP foi positiva, mas dependerá do apoio que cada um terá para cumprir suas missões.

“Ministro forte é o que tem a confiança do presidente”, disse ele, ao ser questionado se ambos têm carta branca. “Mais do que isso, eles precisam ser da convivência íntima do presidente para resolver os problemas.”

Para o senador do PL, esses dois ministros lá têm que fazer até essa função, de interlocução entre o Congresso e sociedade no momento em que o presidente é “declaradamente candidato” e precisa viajar e fazer política.

“Uma coisa está clara, com a ida do Ciro para a Casa Civil, a criação de mais um ministério (a pasta do Trabalho e Emprego) e o envolvimento da equipe econômica, o governo todo está preocupado e com o olho no ano que vem”, disse ele.

Um importante governista da Câmara disse, reservadamente, acreditar que a ida de Ciro para a articulação com o Congresso vai melhorar imagem do governo, assim como o aumento do valor do Bolsa Família para 300 reais e outras ações na área social. Segundo ele, a melhoria da popularidade do presidente só depende dele, desde que não fale bobagem.

“A melhoria econômica e de coordenação pode dar os instrumentos para ele melhorar a própria imagem, mas ele tem que ter filtro”, disse essa fonte.

Já o senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid e opositor de Bolsonaro, disse que, a despeito de considerar Ciro Nogueira um político talentoso e dedicado, avalia que ele terá “muita dificuldade para remontar esse governo que apodreceu, que acabou por falta de projeto, incompetência e corrupção que começou a ser apurado na comissão de inquérito”.

“Pelo risco que o governo significa, pelos propósitos que elegeu, acho difícil uma reviravolta e acho que o Bolsonaro perdeu popularidade numa velocidade grande e também fica muito difícil arremeter”, destacou.

Questionado sobre a expectativa de aliados de reverter o cenário econômico, Renan Calheiros afirmou que pode até haver um crescimento formal da economia neste ano em função da base negativa. Mas, segundo ele, a percepção de que a vida vai melhorar continuará distante porque, na visão do emedebista, não haverá efetiva criação de empregos, geração de renda e queda da inflação.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6Q1G8-BASEIMAGE

To Top