Mercado enxerga Petrobras no rumo certo, mas declarações sobre preços derrubam ações
Últimas Notícias

Mercado enxerga Petrobras no rumo certo, mas declarações sobre preços derrubam ações

portalmixvalegoogle

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – As ações da Petrobras figuraram entre as principais baixas da Bolsa de Valores brasileira nesta terça-feira (14), movimento influenciado pela preocupação de investidores quanto a eventuais intervenções políticas na estatal após o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), criticar as altas da gasolina, do diesel e do gás de cozinha.

Os papéis preferenciais da estatal (PETR4) encerraram o pregão desta terça com queda de 1,33%, enquanto as ações ordinárias (PETR3) caíram 0,74%, contribuindo para que o Ibovespa, principal índice da B3, fechasse o pregão com queda de 0,19%, a 116.180 pontos.

Analistas afirmam que a gestão da Petrobras é correta -a empresa usa como base para os valores que pratica o preço de partidade de importação-, mas as repetidas declarações atribuindo à empresa a culpa pelos aumentos de preços têm prejudicado o seu desempenho.

Na noite de segunda-feira (13), Lira criticou a alta dos combustíveis ao anunciar a participação do presidente da estatal, Joaquim Silva e Luna, na comissão geral da Câmara que debateu o tema nesta terça.

“Tudo caro: gasolina, diesel, gás de cozinha. O que a Petrobras tem a ver com isso? Amanhã, a partir das 9h, o plenário vira comissão geral para questionar o peso dos preços da empresa no bolso de todos nós. A Petrobras deve ser lembrada: os brasileiros são seus acionistas”, escreveu Lira no Twitter.

“O preço é o principal ponto de dúvida porque a gente sabe que é uma questão sensível”, afirma Ilan Arbetman, analista de research da Ativa Investimentos.

A casa mantém uma recomendação neutra para as ações da Petrobras, apesar do que Arbetman considera um momento positivo para o petróleo e companhias do setor com escala, como a Petrobras: recuperação de demanda e o preço do Brent acima de US$ 70.

O que o mercado teme é que a pressão sobre a estatal termine com intervenção na sua política de preços.

“A gente sabe que o Lira vociferou a opinião de uma parcela da população”, diz o analista.

Nesta terça, na audiência da Câmara, Silva e Luna afirmou que a Petrobras seria compensada em caso de interferência para barrar a alta de preços, a exemplo do ocorrido na gestão do ex-presidente Michel Temer (MDB), quando a redução temporária do preço do diesel fez parte da negociação para o encerramento da greve dos caminhoneiros.

“Em conformidade com a Constituição, e os senhores sabem disso, ela [Petrobras], quando orientada pela União em condições diversas de qualquer sociedade privada que atue no mercado, será compensada”, disse.

Para Rodrigo Moliterno, head de renda variável da Veedha Investimentos, o fantasma da intervenção ressurge devido ao histórico recente da companhia, prejudicando a visão que o mercado tem da empresa.

“O investidor que faz a análise da Petrobras, das expectativas de produção, encontra valor na empresa, mas é obrigado a dar descontos pela questão política porque falas de agentes políticos sempre atribuem à estatal falhas que não são delas, mas sim da nossa economia”, diz Moliterno.

“O dólar alto também afeta o preço dos combustíveis, e o dólar está caro por motivos como o nosso risco fiscal e a crise política”, comenta. “A Petrobras está no caminho certo, considerando aquilo que uma empresa deve ser. As questões que envolvem os governos é que travam.”

Pietra Guerra, especialista em ações da Clear Corretora, destaca que as declarações de Lira podem ter impactado nas ações da Petrobras, o que ela avalia como normal “considerando o histórico” da companhia.

“Entendo que essa conversa [na Câmara] gerou alguma especulação sobre mudança na política de preços da estatal, mas vale colocar que, em sua fala, Silva e Luna ressaltou que vai seguir no comando e o bom trabalho feito na empresa e que o presidente nunca interveio diretamente na companhia”, diz Guerra.

Para analistas, Silva e Lunamantém premissas do antecessor, Roberto Castello Branco, como a manutenção do plano de venda de refinarias, saneamento de dívidas e manutenção da política de preços.

To Top