Trabalhadores de tecnologia na China divulgam horas trabalhadas em críticas ao '996'
Asia

Trabalhadores de tecnologia na China divulgam horas trabalhadas em críticas ao ‘996’

portalmixvalegoogle

Por Josh Horwitz

XANGAI (Reuters) – Uma campanha convocando trabalhadores de empresas chinesas de tecnologia a registrar suas horas de trabalho numa página pública da internet viralizou, na mais recente reação contra a cultura de horas extras.

Organizada por quatro criadores anônimos que se descrevem como recém-formados, a campanha “Worker Lives Matter” convida os empregados a inserirem o nome da empresa, o cargo e o horário de trabalho em uma planilha publicada no GitHub.

Nesta quinta-feira, mais de 4 mil pessoas que trabalham em gigantes da tecnologia como Alibaba, Baidu, Tencent e ByteDance haviam registrado seus dados.

Desde então, também criaram planilhas separadas para setores específicos, como imóveis, finanças e empresas estrangeiras.

A maioria registros mostra que, embora uma semana de cinco dias seja a norma, muitos deles trabalham de 10 a 12 horas por dia.

Um postagem afirmava que a prática do “996” de trabalhar das 9h às 21h seis dias por semana é frequente e as horas de trabalho em empresas de internet são pouco transparentes.

“Esperamos contribuir para o boicote de ‘996’ e a popularização de ‘955’”, disse um dos criadores do site Zhihu, numa postagem vista 6 milhões de vezes. “955” significa 9h às 17h, cinco dias por semana.

Alibaba, Tencent, Baidu e ByteDance não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

As longas jornadas de trabalho são um tema importante para os trabalhadores de tecnologia da China. O problema ganhou atenção pela primeira vez em 2019, quando trabalhadores do setor lançaram uma campanha online semelhante contra o “996”.

Nos últimos meses, as críticas às longas horas de trabalho ganharam força em meio à repressão do governo às empresas de tecnologia, evidenciando o tratamento oferecido aos empregados.

Neste ano, empresas como a dona do TikTok, ByteDance, a plataforma de vídeos curtos Kuaishou e a gigante da entrega de comida Meituan cortaram as horas extras obrigatórias nos finais de semana. O Tribunal Superior da China em agosto descreveu “996” como ilegal.

To Top