Presidente do Parlamento Europeu David Sassoli morre aos 65 anos
Elections

Presidente do Parlamento Europeu David Sassoli morre aos 65 anos

Presidente do Parlamento Europeu David Sassoli morre aos 65 anos

Por John Chalmers e Crispian Balmer

BRUXELAS/ROMA (Reuters) – O presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, um socialista italiano e ex-jornalista, morreu nesta terça-feira aos 65 anos em um hospital na Itália, disse seu porta-voz.

Ele era presidente do Parlamento de 705 assentos desde julho de 2019 e seu mandato no papel predominantemente cerimonial estava previsto para terminar este mês. A legisladora maltesa Roberta Metsola, do Partido Popular Europeu (PPE), conservador, deve sucedê-lo no posto.

“Sassoli era um símbolo de equilíbrio, humanidade e generosidade. Estas qualidades sempre foram reconhecidas por todos os seus colegas, de todos os quadrantes políticos e de todos os países europeus”, disse o primeiro-ministro italiano Mario Draghi.

Seu tempo liderando a assembléia da UE foi dominado pela crise do coronavírus e ele foi creditado com a introdução de um sistema de votação à distância que permitiu ao Parlamento continuar operando mesmo que grande parte da Europa tenha sido forçada a se submeter a repetidos lockdowns.

Sassoli contraiu pneumonia por legionella em setembro e retornou ao hospital em dezembro, após sofrer complicações relacionadas ao seu sistema imunológico.

Ele havia sido submetido a um transplante de medula óssea há 10 anos e morreu em uma clínica de câncer na cidade de Aviano, na região nordeste da Itália.

Bandeiras em instituições da UE foram baixadas para meio mastro, enquanto elogios a Sassoli eram feitos em todo o espectro político.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula van der Leyen, uma conservadora que conseguiu o apoio de Sassoli no Parlamento da UE apesar de vir de pertencer a um campo político diferente, disse que havia perdido um querido amigo.

“Hoje é um dia triste para a Europa. Nossa união perde um europeu apaixonado, um democrata sincero e um bom homem”, disse ela aos repórteres. “Ele queria que a Europa fosse mais unida, mais próxima de seu povo, mais fiel aos nossos valores”. Esse é o seu legado.”

(Reportagem de Crispian Balmer em Roma, Foo Yun Chee, Sabine Siebold e John Chalmers em Bruxelas)

tagreuters.com2022binary_LYNXMPEI0A0FW-BASEIMAGE

To Top