Health

Covid é menos grave com Ômicron do que com Delta, aponta estudo dos EUA

Covid é menos grave com Ômicron do que com Delta, aponta estudo dos EUA

A variante Ômicron parece resultar em Covid-19 menos grave do que observado em períodos anteriores de alta transmissão do coronavírus, incluindo a onda Delta, com internações hospitalares mais curtas, menos necessidade de terapia intensiva e menos mortes, de acordo com um novo estudo dos Estados Unidos.

No entanto, a variante Ômicron, de rápida disseminação, levou a um número recorde de infecções e hospitalizações, sobrecarregando o sistema de saúde dos EUA.

Apesar da disparada nos casos de Covid, a porcentagem de pacientes hospitalizados em unidades de terapia intensiva (UTI) durante a atual onda da Ômicron foi cerca de 29% menor do que durante o surto do inverno passado (no hemisfério norte) e cerca de 26% menor do que durante a onda Delta, mostrou estudo publicado nesta terça-feira no Relatório Semanal de Morbidade e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA.

A menor gravidade da Covid-19 durante o período da Ômicron provavelmente está relacionada à maior cobertura vacinal, dose de reforço entre aqueles elegíveis para as vacinas extras, bem como infecções anteriores que fornecem alguma proteção imunológica, segundo o estudo.

As mortes no período de 19 de dezembro a 15 de janeiro, quando as infecções por Ômicron estavam no pico, tiveram uma média de 9 por 1.000 casos de Covid, em comparação com 16 por 1.000 no pico do inverno anterior e 13 durante a onda Delta, mostrou o estudo.

As conclusões foram consistentes com análises de dados anteriores da África do Sul, Inglaterra e Escócia, onde as infecções da Ômicron atingiram o pico mais cedo do que nos Estados Unidos, disse o CDC.

Hospitalizações relativamente altas entre crianças durante o período da Ômicron podem estar relacionadas a taxas de vacinação mais baixas em comparação com adultos, afirmou a agência.

O estudo envolveu a análise de dados de um grande banco de dados de saúde e de três sistemas de vigilância para avaliar as características da Covid-19 nos EUA de 1º de dezembro de 2020 a 15 de janeiro de 2022.

tagreuters.com2022binary_LYNXMPEI0O12K-BASEIMAGE

To Top