Asia

ONU diz que Taliban está interferindo com auxílio humanitário e resistindo a plano financeiro

ONU diz que Taliban está interferindo com auxílio humanitário e resistindo a plano financeiro

Por Michelle Nichols

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) – O Taliban, que governa o Afeganistão, está resistindo às tentativas da ONU de ajudar a levar fundos humanitários ao país e está interferindo na entrega de auxílio, afirmou o líder de ajuda da ONU, Martin Griffiths, ao Conselho de Segurança nesta quinta-feira.

Desde que o grupo islâmico linha-dura assumiu o poder em agosto, quando as forças lideradas pelos EUA se retiraram após duas décadas de guerra, bancos internacionais estão receosos de testar as sanções da ONU e dos EUA, o que deixa a Organização das Nações Unidas e grupos humanitários com dificuldades para transferir dinheiro suficiente para conduzir operações.

“O sistema bancário formal continua bloqueando transferências devido ao risco excessivo, o que influencia nos canais de pagamentos e quebra cadeias de fornecimento”, disse Griffiths aos 15 membros do Conselho de Segurança.

A ONU tem tentado iniciar um sistema –descrito como Mecanismo de Intercâmbio Humanitário (HEF, na sigla em inglês)– para trocar milhões de dólares de auxílio pela moeda afegã, um plano para conter crises de auxílio e economia e contornar os líderes do Taliban que estão sancionados.

“Nós vemos progresso limitado por causa da resistência das autoridades efetivas. Isso é um problema que não se resolverá sozinho”, afirmou Griffiths, acrescentando que, até o sistema bancário formal do Afeganistão poder operar adequadamente novamente, a ONU precisa colocar em prática o Mecanismo de Intercâmbio Humanitário.

Ele disse que cerca de metade dos grupos humanitários que participaram recentemente de uma pesquisa da ONU relataram dificuldades para transferir fundos para o Afeganistão, menos do que os 87% em outubro, acrescentando: “A direção é positiva, mas o número continua alarmante”.

Autoridades do Taliban também estão interferindo cada vez mais com as entregas de auxílio humanitário, apesar de uma promessa a autoridades da ONU em setembro de que não o fariam, disse Griffiths.

(Reportagem de Michelle Nichols)

tagreuters.com2022binary_LYNXMPEI5M11A-BASEIMAGE

To Top