Benefícios

INSS: benefícios podem cair mais de 80% em 2019

INSS Previdência Pente-Fino Revisão Antencipação Salário Social Reforma da Previdência Aposentadoria Benefícios FGTS Bolsa Família Nis CNIS Extrato Banco Governo Pis Pasep Pis-Pasep Aposentado Idoso FGTS Caixa Banco do Cálculo Demora Brasil Maternidade Auxílio-Reclusão Saques Pagamento Vencimento Retiradas Refis MeuINSS Auxílio-Doença Aposentadoria Por Invalidez Contribuição BPC-Loas Pensão por Morte Pensionista Empréstimo Consignado

INSS: benefícios podem cair mais de 80% em 2019. As limitações ao acúmulo de benefícios somadas à redução do valor da pensão por morte — ambas previstos na proposta da reforma da Previdência — podem diminuir o valor da pensão em mais de 80%, em relação ao que o beneficiário receberia hoje. As perdas são maiores entre aqueles que já recebem um benefício acima do teto previdenciário (R$5.839,45) e teriam direito a uma pensão de valor igual ou mais alto.

Isso porque a proposta estabelece que nas faixas salariais acima de quatro salários mínimos, o percentual recebido é nulo (veja a tabela abaixo), de modo que o valor máximo a que poderia chegar o segundo benefício seria de R$ 1.996.

As situações em que os benefícios ultrapassam o teto previdenciário são mais comuns no funcionalismo. Atualmente, o cálculo da pensão para os servidores é feito da seguinte forma: o valor do teto, mais 70% do restante. Ou seja, no caso de um casal em que ambos recebem R$ 20 mil, por exemplo, e um morresse, o outro teria direito a uma pensão, hoje, de R$12.251,84. Com a reforma, esse valor cairia para R$ 1.996, uma redução de cerca de 82%.

Mas mesmo para as faixas salariais mais baixas as perdas superam 50%. É o caso de um aposentado que recebe um salário mínimo mensal (R$ 998), por exemplo, e tem um cônjuge aposentado pelo mesmo valor. Caso seu parceiro morresse, essa pessoa hoje teria direito à pensão de R$ 998. Pelas regras da reforma, isso mudaria. Essa pessoa sofreria dois descontos. O primeiro, relativo à pensão por morte, que dará direito a apenas 60% do benefício, no caso de um casal sem filhos menores de idade. Aplicado este desconto, o beneficiário da pensão sofrerá uma segunda perda. Sobre o que sobrou da pensão (que será R$ 598,80) , será aplicado desconto de 20%: ele receberá, portanto, R$ 479,04. Ou seja, 52% a menos.

No caso de um casal em que os dois recebem o teto do INSS, a pensão após a reforma cairia 67,5%: passaria de R$ 5.839,45 para o valor de R$ 1.897,60. Fonte Jornal Extra

To Top