Dólar engata queda ante real com expectativa sobre pacote econômico dos EUA
Agro

Dólar engata queda ante real com expectativa sobre pacote econômico dos EUA

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar ampliava a mais de 1% a queda contra o real nesta sessão, aproximando-se do patamar de 5 reais, com os investidores otimistas após acordo alcançado entre autoridades dos Estados Unidos sobre um amplo pacote econômico, que será votado nesta quarta-feira.

Às 14:15, o dólar recuava 1,21%, a 5,0208 reais na venda, enquanto o principal contrato de dólar futuro tinha queda de 1,62%, a 5,0195 reais.

Os senadores norte-americanos votarão nesta quarta-feira um pacote de legislação bipartidária de 2 trilhões de dólares para aliviar o impacto econômico devastador da pandemia de coronavírus, esperando que ele se torne lei rapidamente.

Os principais assessores do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e republicanos e democratas sêniores disseram que concordaram com o projeto de lei sem precedentes nas primeiras horas desta quarta-feira, depois de uma maratona de cinco dias de conversas.

“É o maior pacote de ajuda da história”, avaliou em nota a Levante Investimentos. “As medidas enviarão dinheiro diretamente a todos os cidadãos americanos, aumentarão os benefícios pagos aos beneficiados pelo seguro-desemprego e tornarão disponíveis 367 bilhões de dólares para pequenas empresas.”

No exterior, após apresentar comportamento misto por boa parte da manhã, o dólar passava a cair ante divisas arriscadas, como peso mexicano, rand sul-africano e dólar australiano.

Ainda no radar dos investidores, na terça-feira o presidente Jair Bolsonaro voltou a reclamar, em pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV, de restrições impostas por governadores para a circulação de pessoas para conter o avanço do coronavírus e chamou novamente a pandemia de uma “gripezinha”.

“A fala, na contramão do que tem sido pregado por técnicos da saúde e adotado por países ao redor do mundo, foi fortemente criticada também no campo político”, comentou em nota a XP Investimentos. Recentemente, o conflito entre governos regionais e federal sobre as medidas de combate à pandemia foi apontado por analistas como fator desfavorável para a moeda brasileira.

“O pronunciamento vai na contramão dos esforços para apaziguar a relação entre Poderes e entre os entes federativos. Vai, inclusive, na contramão de sugestões de outras alas do governo, podendo criar desconforto interno”, disse a Levante Investimentos. “Com o discurso, Bolsonaro demonstra sua real opinião sobre o tema e exagera na irresponsabilidade.”

Já nesta quarta-feira, depois de uma reunião tensa com os governadores da Região Sudeste, o Palácio do Planalto cancelou uma declaração prevista do presidente Jair Bolsonaro, seguida de entrevista coletiva com ministros.

Na máxima do dia, antes de engatar queda, o dólar à vista chegou a tocar 5,1115 reais na venda.

Nesta sessão, o Banco Central voltou a intervir nos mercados, com leilão de até 3,3 bilhões de dólares para rolagem de linhas de dólares com compromisso de recompra que vencem no próximo dia 2. A autarquia vendeu o total da oferta. Na véspera, o BC não realizou leilões de câmbio.

“O Banco Central não está tentando estancar a alta (do dólar), só está tentando deixar o mercado mais tranquilo”, disse à Reuters Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso Corretora. “O BC vem agindo para dar a liquidez necessária no momento, não está preocupado se está vendendo barato ou caro.”

No último pregão, o dólar spot caiu 1,10%, a 5,0821 reais na venda.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG2O19F-BASEIMAGE

To Top