Pagamento do Auxílio Doença tem nova ferramenta do INSS
Benefícios

Pagamento do Auxílio Doença tem nova ferramenta do INSS

previdência social INSS

Pagamento do Auxílio Doença tem nova ferramenta do INSS. A Câmara dos Deputados está discutindo a possibilidade de o pagamento do auxílio-doença entre 16 e 120 dias de afastamento do trabalhador passar do INSS para a empresa. A proposta foi incluída pelo deputado Fernando Rodolfo (PL-PE) em seu relatório da Medida Provisória 891, que trata da antecipação da primeira parcela do 13º salário de aposentados e pensionistas do INSS. A informação foi confirmada pelo secretário de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho. No entanto, especialistas em Direito Previdenciário têm dúvidas quanto à eficiência da medida e aos impactos para os empregados. Baixe o Aplicativo Gratuito do Portal Mix Vale

Hoje, quando um trabalhador da iniciativa privada é afastado por mais de 15 dias de suas atividades, é feita uma perícia pelo INSS para verificar o tempo de licença necessário e para garantir o pagamento do benefício pela Previdência Social. Na proposta apresentada agora, as empresas é que ficariam responsáveis por esse exame após os 15 dias iniciais. Caso comprovada a necessidade de afastamento do empregado por mais tempo, os patrões assumiriam o pagamento de auxílio-doença por até 120 dias, com o valor limitado ao teto do INSS (R$ 5.839,45), como já é hoje.

INSS mostra as contribuições fora CNIS para a revisão vida toda em 2020(Abre numa nova aba do navegador)

A principal vantagem seria tirar as pessoas do chamado “limbo jurídico”, em que o trabalhador não consegue fazer a perícia do INSS por problemas de agenda do instituto (para dar início ao pagamento do benefício ou para ter alta e voltar a trabalhar), e a empresa não consegue afastar o trabalhador nem aceitá-lo de volta após sua recuperação.

— A proposta é interessante porque, em alguns casos, a empresa entende que o trabalhador está incapaz, mas até o INSS fazer a perícia, muitas vezes, demora. Assim, o trabalhador não pode ser afastado, mas a empresa também não paga (o salário dele). No fim, o trabalhador fica sem remuneração alguma. E a proposta segue a lógica da jurisprudência atual, que entende que, até conseguir o laudo (do INSS), a empresa é responsável pelo pagamento do funcionário — afirmou o advogado João Badari, sócio do Aith, Badari e Luchin Advogados.

Casos que ainda ficariam com o INSS

A solução, porém, pode causar outros problemas, principalmente onerando as pequenas empresas. Para microempreendedores individuais (MEIs) ou pessoas físicas que assinam a carteira de empregados domésticos, a proposta prevê que o auxílio-doença continuará a ser pago diretamente pelo INSS. Mas, outras empresas podem não estar dispostas a arcar com esses custos.

Para Luiz Guilherme Migliora, professor da FGV Direito Rio, o perigo de se terceirizar esses serviços é o conflito de interesses:

— O perigo de o governo terceirizar assuntos de governo é que os interesses das empresas são outros. Pode não haver interesse em dar a licença para os trabalhadores, porque as empresas, diferentemente do governo, não estão preocupadas com a seguridade social.

INSS irá suspender pagamento de Aposentado circulando nas ruas?(Abre numa nova aba do navegador)

Outros especialistas consideram complicado dar a capacidade de perito a médicos do trabalho e acreditam que o benefício de se acabar com esse “limpo jurídico” seria temporário. Depois de 120 dias de afastamento do trabalhador, o problema poderia ressurgir.

— Médico não é perito. O viés é completamente outro. O entendimento de que há incapacidade para o trabalho pode ser subjetivo. Por isso, há normas a serem seguidas. É boa a ideia de se acabar com o “limbo jurídico”, mas mesmo que essa responsabilidade passe para a empresa a partir de 16 dias (de afastamento), depois de 120 dias o trabalhador (ainda não recuperado) deveria voltar ao INSS, o que poderia levá-lo ao “limbo” novamente — afirmou Adriane Bramante, presidente do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP), que acredita que a proposta deveria ser discutida melhor e não ser atrelada a uma medida provisória.

To Top