É possível contribuir ao INSS por conta própria todo mês?
Benefícios

É possível contribuir ao INSS por conta própria todo mês?

INSS Previdência Social Reforma da Previdência Aposentadoria Benefícios FGTS Bolsa Família Nis CNIS Extrato Banco Governo Aposentado Idoso FGTS Caixa Banco do Cálculo Demora Brasil Maternidade Auxílio-Reclusão Saques Pagamento Vencimento Retiradas Refis MeuINSS Auxílio-Doença Aposentadoria Por Invalidez Contribuição BPC-Loas Pensão por Morte Pensionista Empréstimo Consignado

É possível contribuir ao INSS por conta própria todo mês? Todos os anos, a partir de fevereiro, quem contribui para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) por conta própria passa pelo mesmo dilema: pagar a contribuição de janeiro. Com o novo teto – passou de R$ 5.839,45 para R$ 6.101,06 – a dúvida é se vale a pena mesmo pagar. Agora, tem mais um ingrediente: a Reforma da Previdência.

Vale a pena pagar o teto?

A cada ano que passa, o trabalhador perde um pouco mais a fé de que a Previdência com valor máximo vale a pena, e ele tem razão de pensar assim.

Lista do INSS com novos descontos

As novas regras de cálculo do valor do benefício – sem excluir 20% das menores contribuições – acabaram trazendo à tona a necessidade de o contribuinte refazer seus planos.

Ninguém vai se aposentar pelo teto, mas também não pode jogar no lixo o que já pagou.

Diagnóstico previdenciário

Para não jogar dinheiro no lixo, o contribuinte tem que recalibrar o valor das suas contribuições. A definição do investimento depende da avaliação do histórico do tempo de serviço e das contribuições.

Depois desta avaliação é hora de responder a quatro perguntas:

  • Quando vai se aposentar;
  • Quanto tempo já contribuiu;
  • Qual é o valor médio das contribuições;
  • Qual é a aposentadoria mais favorável.

Quando parece que o trabalho terminou, o segurado vai perceber que está no meio do caminho porque neste momento começa a hora de fazer o planejamento. Isso tem que ser feito considerando três situações:

  • As novas regras de aposentadoria;
  • O direito adquirido;
  • As regras de transição.

Situações que não dependem do contribuinte

Além da significativa redução do poder de compra do valor teto das aposentadorias – que, se fosse mantido em dez salários mínimos, seria equivalente a R$ 10.390, mas foi reduzido para R$ 6.101,06 -, o contribuinte ainda tem que lhe dar com as tendências da Reforma da Previdência.

O teto dos benefícios representa 58,7% do valor que tinha em 1991. A equipe econômica, acompanhada de muitos especialistas em Previdência, ainda não desistiu da ideia do regime de capitalização. Isso dificulta a tomada de decisões

Reajuste de 4,48% para benefícios acima do mínimo no INSS

Para quem é empregado

Se para quem contribui por conta própria as coisas não estão fáceis, imagina para quem tem anotação em carteira de trabalho e o valor da contribuição ao INSS é descontada diretamente no contracheque.

O pior é que, excluindo quem ganha o salário mínimo, todos os trabalhadores terão aumento da alíquota de contribuição. As faixas de 8%, 9% e 11% serão aumentadas para 9%, 12 e 14%. Veja abaixo as tabelas que estão disponíveis no site do INSS.

Em resumo, a contribuição vai aumentar e o valor do benefício vai diminuir. Mas, não tem como fugir da contribuição porque quem exerce atividade remunerada é obrigado a contribuir.

Tabela de contribuição dos segurados empregado, empregado doméstico e trabalhador avulso, a partir de 1º de janeiro de 2020

Salário de contribuiçãoAlíquota para fins de recolhimento ao INSS
até R$ 1.830,298%
de R$ 1.830,30 até R$ 3.050,529%
de R$ 3.050,53 até R$ 6.101,0611%

Tabela de contribuição dos segurados: empregado, empregado doméstico e trabalhador avulso, a partir de 1º de março de 2020

Salário de contribuiçãoAlíquota para fins de recolhimento ao INSS
até R$ 1.0397,5%
de R$ 1.039,01 até R$ 2.089,609%
de R$ 2.089,61 até R$ 3.134,4012%
de R$ 3.134,41 até R$ 6.101,0614%

Fonte: G1

To Top