“Traga sua própria caneta”: Como a Bolívia está votando em meio à pandemia

(Blank Headline Received)

Por Marcelo Rochabrun

LA PAZ (Reuters) – Deni Blanco costumava vender comida fora dos locais de votação em La Paz a cada ciclo eleitoral, uma maneira fácil de ganhar algum dinheiro extra. Este ano, enquanto a Bolívia realiza eleições no meio da pandemia do coronavírus, ela está vendendo outra coisa: canetas.

“Minha irmã viu na TV que desta vez cada eleitor deveria trazer sua própria caneta para votar, e ela disse: ‘Por que não as vendemos?'”, Disse Blanco, do lado de fora de um local de votação ao ar livre na Ciudadela Ferroviaria, área de baixa renda de La Paz.

Blanco estava vendendo canetas por 1 boliviano (cerca de 0,80 real) cada e, após duas horas de votação, disse que havia vendido cerca de 50.

A Bolívia está realizando eleições presidenciais obrigatoriamente presenciais neste domingo, embora o país tenha sido duramente atingido pela pandemia. Quase 8.500 bolivianos morreram com a doença, o que representa uma das maiores taxas de mortalidade per capita do mundo.

A votação na Bolívia, muito atrasada devido à pandemia, será um teste para as autoridades eleitorais da região. O vizinho Peru deve eleger um novo presidente em abril.

Os norte-americanos também devem eleger um presidente no mês que vem, mas enquanto nos Estados Unidos os cidadãos podem votar durante vários dias ou pelo correio, isso nunca foi uma opção na Bolívia.

Os paceños, como são conhecidos os moradores de La Paz, disseram que geralmente se sentiam seguros sobre os protocolos, mas nem sempre é fácil manter o distanciamento social. Os eleitores devem usar máscaras, enquanto trabalhadores das eleições além das máscaras precisam usar óculos de proteção.

“As pessoas não respeitam o distanciamento social”, disse Eric Echevarria, que votou pela primeira vez.

Antes os cidadãos costumavam votar a qualquer hora entre 8h e 17h. Agora as listas de eleitores são divididas em grupos de votação da manhã e da tarde.

Os bolivianos também costumavam mergulhar os dedos em tinta roxa para fazer uma impressão digital após votarem. Agora a tinta deve ser tocada com algodão para evitar o contágio, embora nem todos sigam essa regra.

“Existem pessoas como eu que podem molhar o dedo, afinal não estou doente”, disse Deisy Mamani, eleitora da Zona Sur de La Paz.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG9H0KQ-BASEIMAGE