Marinha, Aeronáutica e Exército com dicas especiais para concursos
Benefícios

Marinha, Aeronáutica e Exército com dicas especiais para concursos

exercito brasileiro alistamento

Marinha, Aeronáutica e Exército com dicas especiais para concursos. Muitos concursos públicos podem ser suspensos ou ter redução do total de vagas oferecidas em momentos de crise. Mas as seleções das Forças Armadas, não. Segundo especialistas na área militar, pela importância nacional e pela independência orçamentária, nesses casos não se reduz significativamente a quantidade de postos oferecidos nem a frequência dos processos seletivos. Em 2021, Marinha e Aeronáutica já anunciaram 1.628 chances para os interessados em ingressar em seus quadros.

A Marinha inscreveu para 437 vagas no Serviço Militar Voluntário (SMV). Ainda abrirá inscrições para 960 postos no Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais. A Aeronáutica abriu cadastro para 231 vagas na próxima edição do Estágio de Adaptação à Graduação de Sargento (EAGS). Os ganhos variam de R$ 1.105 a R$ 7.315.

Por terem perfis tão diferentes, os concursos não permitem, na prática, que a pessoa estude para dois ou todos ao mesmo tempo. É preciso escolher um foco na preparação, que costuma estar relacionado ao nível de escolaridade.

— Esses três concursos têm perfis completamente diferentes. O de Serviço Militar Voluntário é para oficial. Então, o candidato já precisa ter uma graduação, e não é para seguir carreira. O aprovado fica, no máximo, oito anos na Marinha. O de Estágio de Adaptação à Graduação de Sargentos é para o posto que pede apenas nível médio, mas a pessoa precisa ter uma das especialidades técnicas com vagas abertas. O de Fuzileiros Navais é para soldado e exige nível médio — resume Diego Ribeiro, coordenador de carreiras militares do Gran Cursos Online e professor de Raciocínio Lógico Matemático.

Ribeiro explica ainda que as provas aplicadas são muito diferentes, já que o SVM pede conhecimentos militares, o EAGS cobra conhecimentos técnicos da área de especialidade, e o concurso para fuzileiros tem avaliação de Matemática. Em comum, ele diz que há apenas a disciplina de Língua Portuguesa.

Após a etapa de provas, no entanto, os concursos têm alguma semelhança: a testagem do condicionamento físico. Nos editais, aparecem declaradas as marcas esperadas em cada atividade. E a professora Cristina Castanheira, da rede Progressão Educação, recomenda começar o treino já, sem esperar a aprovação na primeira fase.

— Um conselho que dou é que todo jovem, seja homem, seja mulher, que decida adentrar uma escola de formação militar e prestar um teste físico, antes de tudo, consulte seu médico, faça exames que constatem um estado saudável e, depois, também de forma assistida por um profissional, comece a treinar. Isso evitará possíveis problemas no percurso de sua aprovação e, ainda, fortalecerá sua caminhada para o sucesso. Os treinos podem aliviar o estresse dos estudos e fortalecer o lado psicológico — acrescenta.

É possível se planejar para outras provas

Os três concursos não tem muito em comum entre si, mas estudar para cada um deles pode abrir outras portas: segundo Ribeiro, as seleções militares são muito parecidas dentro de um mesmo nível de escolaridade exigido. E, por serem estáveis os processos, os candidatos podem até consultar editais de anos anteriores, a fim de saberem que chances vêm por aí, até o fim deste ano.

— Por exemplo, quem se prepara para o concurso da Escola Preparatória de Cadetes do Ar (Epcar) está se preparando para o Colégio Naval também. Os dois exigem apenas o ensino fundamental. E assim por diante. Até quando é um concurso de nível superior, basta procurar outra seleção com vaga para a mesma área — explica.

Vale ficar atento, ao fazer o planejamento do ano, em outras exigências das seleções, como idades mínima e máxima e restrições a pessoas de determinado sexo.

— Os concursos militares são atrativos pela possibilidade de independência financeira precoce que dão. Tem concurso para pessoas de 14 anos iniciarem numa carreira estável — pontua o coordenador Diego Ribeiro.

Cursos preparam candidatos

Os candidatos que preferem ter ajuda neste caminho podem contar com os cursos preparatórios, mesmo sem sair de casa. Além do Gran Cursos Online, o Estratégia é uma opção virtual.

— Somos um curso que nasceu dentro da proposta do ensino on-line. Oferecemos aulas escritas em livros digitais, videoaulas, fórum de dúvidas, salas interativas de revisão de conteúdos e que permitem tirar dúvidas com os professores, simulados com questões inéditas, mapas mentais para revisão de conteúdos… — enumera o coordenador Pontes.

A rede Progressão Educação chegou a ter aulas on-line no início da pandemia, mas já retomou o ensino presencial, adotando os protocolos de saúde necessários. Para Castanheira, o apoio do curso está além do conteúdo programático a ser passado.

— Muitos alunos ficaram emocionalmente abatidos com os reflexos da pandemia. E o papel de um curso preparatório nesses momentos de adversidades é extremamente importante, pois conta com profissionais experientes para oferecer todo o tipo de suporte aos alunos, não somente o pedagógico.

Inscrições e requisitos

Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais – As inscrições estarão abertas entre 22 de fevereiro e 26 de março de 2021, no site www.marinha.mil.br/cgcfn. Alguns dos requisitos para se candidatar são: ser do sexo masculino, ter nível médio completo, altura mínima de 1,54m e máxima de 2m, e idade de 18 anos completos a menos de 22 anos no primeiro dia do mês de janeiro de 2022.

Estágio de Adaptação à Graduação de Sargento da Aeronáutica – As inscrições para o processo seletivo seguem até as 15h do dia 10 de fevereiro de 2021, no endereço ingresso.eear.aer.mil.br/. Os candidatos, de ambos os sexos, não podem ter menos de 17 anos nem completar 25 anos de idade até 31 de dezembro do ano da matrícula no EAGS 2022, além de terem concluído o ensino médio (para todos os candidatos) e o curso técnico de nível médio na data da concentração final do certame.

Serviço Militar Voluntário de Oficiais da Marinha – As inscrições já foram encerradas. Homens e mulheres que tenham entre 18 e 40 anos até 31 de dezembro do ano da incorporação podiam se inscrever.

O que cai nas provas

Estágio de Adaptação à Graduação de Sargento da Aeronáutica

O candidato fará prova de Língua Portuguesa, com 40 questões, e de Conhecimentos Especializados, que depende da área de formação e atuação.

Cristina Castanheira, professora de Língua Portuguesa, do curso Progressão Educação, aponta que a prova cobra, praticamente, todo o programa de matérias presente no edital (fonética, ortografia, classes de palavras, sintaxe: estudo do período simples e composto, concordância, regência, crase, colocação pronominal, tipos de discurso e figuras de linguagem).

Os maiores desafios são as questões que “brincam” com o próprio conteúdo, criando “aparência” de uma resposta e distraindo o candidato da alternativa certa.

Um outro ponto conflitante tem sido a troca de estrutura da prova, cujo formato era sempre um pequeno texto dissertativo, quatro questões de compreensão textual e o restante de gramática bem objetiva. No último ano, por exemplo, a prova teve mais textos e questões mais subjetivas, explorando outras tipologias. Além disso, a cobrança de uma gramática de forma mais contextualizada desespera os alunos.

Curso de Formação de Soldados Fuzileiros Navais

A professora Cristina Castanheira, do Progressão Educação, também tem dicas de português: além das questões de fonética, morfologia, sintaxe e semântica, segundo ela, a prova tem por característica cobrar conteúdos mais específicos de interpretação de textos (textos verbais e não verbais, literários e não literários, intertextualidade, mecanismos básicos de coesão, operadores discursivos/argumentativos, vícios de linguagem, variação linguística e funções da linguagem).

Não aprofunda tanto a sintaxe, mas compensa em dificuldades na parte textual. Prova a capacidade de leitura e de concentração do aluno no dia do exame.

Leonardo Pontes, professor e um dos coordenadores do Estratégia Militares, reforça a importância de ter gramática na veia e aponta tópicos a serem revistos: sujeito, transitividade, partícula “se”, partícula “que”, concordâncias.

Na prova de Matemática, Pontes sugere como conteúdos a receberem maior atenção: frações, áreas, números romanos, função de 1° e 2° graus, regra de 3, produtos notáveis e equações do 1° e 2° graus.

Serviço Militar Voluntário da Marinha

Os candidatos farão prova de Português e de Formação Militar-Naval, Relações Humanas, e Liderança e História Naval.

Segundo o professor Luiz Felipe da Rocha, do Estratégia Concursos, a prova de Conhecimentos Navais é uma prova literal, visto que a Marinha não contrata banca. Para ele, os examinadores não entram em questões mais complexas e cobram basicamente uma grande memorização do material: são questões bem objetivas e poucas questões de raciocínio.

Historicamente, há alguns destaques em cobranças, como 20% das questões sobre estatuto dos militares, 15% sobre liderança e 13% sobre tradições navais.

Rocha explica que a prova de Português, no entanto, é um pouco diferente, pois a banca foca bastante na gramática, uma tendência que não é muito recorrente em outras, além da interpretação de texto. Vale estudar com mais figuras de linguagens, acentuação, processo de formação de palavras e colocação pronominal.

To Top