Jogadores negros da Inglaterra enfrentam ofensas raciais após derrota na Eurocopa
Celebridades

Jogadores negros da Inglaterra enfrentam ofensas raciais após derrota na Eurocopa

Jogadores negros da Inglaterra enfrentam ofensas raciais após derrota na Eurocopa

Jogadores negros da seleção da Inglaterra foram submetidos a uma enxurrada de ofensas racistas online após a derrota na final da Eurocopa 2020, atraindo ampla condenação do técnico da equipe, Gareth Southgate, além de políticos e a realeza britânica.

Marcus Rashford, 23 anos, Jadon Sancho, 21 anos, e Bukayo Saka, 19 anos, foram alvos de ofensas virtuais “repugnantes” depois de fracassarem na cobrança de pênaltis contra a Itália, que decidiu a final de domingo empatada em 1 x 1 após a prorrogação.

Os comentários levaram a uma investigação policial e condenações generalizadas, embora os críticos acusem alguns ministros de hipocrisia por se recusarem a apoiar a postura anti-racista que os jogadores tiveram durante o torneio.

“Para alguns deles, a ofensa é imperdoável”, disse Southgate em coletiva de imprensa. “Parte disso veio do exterior, nos disseram isso, mas parte é deste país.”

A seleção da Inglaterra foi elogiada por sua postura contra o racismo, enquanto vários jogadores também fizeram campanha por outras causas sociais. A composição multirracial do time foi aclamada como refletindo um Reino Unido moderno mais diversificado.

A seleção inglesa ressaltou a questão do racismo ao longo do torneio, ajoelhando-se antes de todas as partidas –um protesto feito pelo jogador de futebol norte-americano Colin Kaepernick e seguido pelo movimento Black Lives Matter no ano passado– dizendo que era uma simples demonstração de solidariedade contra a discriminação racial.

Entretanto, alguns torcedores vaiaram o gesto, que críticos veem como uma politização indesejada do esporte e uma expressão de simpatia por políticas de esquerda.

Alguns ministros são acusados de hipocrisia por terem se recusado a criticar aqueles que vaiaram no começo do torneio e agora condenarem as ofensas racistas.

“Este time da Inglaterra merece ser elogiado como heróis, não ofendido racialmente nas redes sociais”, disse o primeiro-ministro Boris Johnson no Twitter. “Os responsáveis ​​por este abuso terrível deveriam ter vergonha de si mesmos.”

Embora o próprio Johnson tenha dito que o time não deveria ser vaiado, seu próprio porta-voz inicialmente se recusou a criticar os torcedores sobre o assunto quando questionado no mês passado.

A ministra do Interior, Priti Patel, também disse que não apoiava jogadores que se ajoelhavam porque era uma “política de gestos” e que era uma escolha dos torcedores vaiarem os jogadores. Nesta segunda-feira, ela se juntou aos que repudiaram o abuso racista.

O príncipe William, que é presidente da Associação de Futebol, disse estar “enojado”.

“É totalmente inaceitável que jogadores tenham que suportar este comportamento abominável”, tuitou o neto da rainha Elizabeth. “Isto precisa parar agora, e todos os envolvidos deveriam ser responsabilizados.”

(Reportagem adicional de Elizabeth Piper, Simon Evans e Manasi Pathak)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH6B0RG-BASEIMAGE

To Top