Preços abusivos de material escolar pelo Procon
Benefícios

Preços abusivos de material escolar pelo Procon

bolsa família escola criança

Preços abusivos de material escolar pelo Procon. Pesquisa do Procon de São Paulo constatou diferenças de até 333% nos preços praticados pelas lojas nos itens de material escolar. A maior variação ocorreu na venda da borracha látex branca da Faber Castell, que em um estabelecimento foi encontrado por R$ 2,60 e no outro, por R$ 0,60. Baixe o Aplicativo Gratuito do Portal Mix Vale

Foram coletados preços de 169 itens entre os dias 9 e 11 de janeiro, em oito estabelecimentos comerciais do município de São Paulo.

Como fica a aposentadoria do vigilante pelo INSS?

Em números absolutos, a maior diferença foi vista na caneta hidrográfica Pilot 850L Junior 12 cores – um estabelecimento vendia por R$ 59,90, e outro, por R$ 24,50.

Os melhores preços – menores ou iguais aos preços médios obtidos – foram encontrados nas lojas pesquisadas da zona norte da capital.

Após comparação de 126 produtos comuns entre as pesquisas realizadas neste ano e no ano passado, constatou-se, em média, acréscimo de 3,71% no preço desses itens

Lei proíbe copos e talheres de plástico em SP: Confira

Compras em grupo ajudam a economizar no material escolar

Se você, pai ou mãe, puder evitar comprar os materiais escolares ou pelo menos parte deles em janeiro, faça isso. Nesse mês, as lojas elevam sensivelmente os preços tentando garantir o lucro antes do início do ano letivo. Além disso, o poder de barganha dos consumidores é mínimo, por causa da procura excessiva.

O professor dos MBAs da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Ricardo Teixeira afirma  que os pais, além de saírem de casa já sabendo exatamente o que precisam, para evitar gastos extras, necessitam também se unir a outros consumidores na mesma situação.

“Quando os pais se unem, eles ganham em duas pontas. Tanto no trato com as papelarias, com as quais podem obter ofertas melhores por causa da quantidade de produtos, quanto na negociação com a escola, que pode parcelar as entregas de, por exemplo, folhas de papel sulfite, já que elas não vão ser usadas todas no início do ano”, opina Teixeira.

O professor explica que a reunião dos pais pode servir para reforçar esse pedido das famílias que desejam reduzir os gastos no início do ano. “Se você consegue deixar parte do que precisa ser comprado para abril, maio ou junho, épocas em que o preço tende a ser menor, a redução de custos vai ser bastante significativa.”

Teixeira dá, por fim, uma última dica para quem vai às compras. “Evite os produtos lançados recentemente, que são mais caros que os do ano passado. Para isso ser possível, é importante não levar as crianças às lojas, porque elas tendem a querer personagens da moda e itens que sequer foram pedidos.”

A proximidade com outros pais e mães ajuda também na pesquisa dos preços mais em conta, na divisão das compras e, em alguns casos, no reaproveitamento de materiais que eventualmente sobram na casa de algumas famílias.

Pais precisarão usar aplicativo de celular para adquirir uniforme em São Paulo

Fonte: R7

To Top